Lei seca

Belo Horizonte volta a proibir bebidas alcoólicas em bares e restaurantes

Medida que passa a valer a partir da próxima segunda-feira pretende evitar aglomerações durante novo avanço da pandemia

Tânia Rêgo/Agência Brasil
Apesar da restrição, bares e restaurantes permanecem abertos ao público na capital mineira

São Paulo – Para evitar aglomerações e conter a nova onda de contágio pela covid-19, a prefeitura de Belo Horizonte voltou a proibir a venda de bebidas alcoólicas em bares, restaurantes e feiras públicas. A decisão foi publicada nesta sexta-feira (4), no Diário Oficial do Município. As novas regras que proíbem bebidas em BH passam a valer a partir da próxima segunda-feira (7), véspera do feriado religioso que comemora o Dia da Imaculada Conceição.

Conforme o novo decreto, padarias, lanchonetes, bares, restaurantes, cantinas, clubes, sorveterias continuam a poder servir alimentos para para consumo no no local, exceto bebidas alcoólicas.

Na decisão que proíbe as bebidas em BH, a prefeitura também autorizou a realização de “eventos de iluminação e decoração de Natal e caravanas comemorativas”. Mas as atividades não poderão ser anunciadas previamente, visando conter as aglomerações. Além disso, é preciso solicitar um licenciamento específico para as atividades.

Segundo o boletim epidemiológico divulgado pelas autoridades municipais, 55.039 casos de Covid-19 haviam sido confirmados na capital mineira até a quinta-feira (3). As mortes pela covid-19 na cidade somam 1.675. Já os níveis de ocupação dos leitos de UTIs e enfermarias por doentes com a doença estavam, respectivamente, em 45,7% e 45,5%.

Em março, no início da pandemia, todas as atividades não essenciais foram suspensas na cidade. Em setembro, após pressão do setor pela reabertura, bares e restaurantes foram reabertos, mas ainda sem a venda de bebidas alcoólicas. Estas só foram liberadas no início de outubro, quando o horário de funcionamento dos estabelecimentos também foi ampliado.