balanço

Brasil registra 987 mortos por covid-19 em 24h; novos casos seguem em patamar alto

Número segue acima da média móvel da semana passada. Desde o início do surto de covid-19 no país, em março, são 134.106 mortos. Casos são quase 4,5 milhões

Andréa Rêgo Barros/PCR
O Brasil é o segundo país com maior número de mortos no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Já em relação ao número de doentes, a Índia ultrapassou o país latino na última semana

São Paulo – O Brasil registrou hoje (16) mais 987 mortos por covid-19 nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, em março, são 134.106 vítimas do novo coronavírus no país. Os números são fornecidos diariamente pelo Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass).

Já o número de novos casos foi de 36.820 doentes. Desde o início do surto, 4.419.083 brasileiros foram infectados pela covid-19. Isso, sem contabilizar a subnotificação que é denunciada por cientistas e reconhecida por autoridades. Apenas cerca de 6% dos brasileiros passaram por algum teste de sorotipo para o coronavírus.

A exemplo de ontem, quando registrou 1.113 mortes, o número de novos óbitos está acima da média móvel das últimas três semanas, período em que a covid-19 deixou, em média, 800 vítimas por dia. Nas 12 semanas anteriores, o Brasil esteve no epicentro da pandemia mundial, com mais de mil mortes por dia em decorrência da covid-19.

No Brasil, São Paulo segue como estado mais impactado pela covid-19. São 901.271 doentes confirmados e 32.963 mortos. Na sequência vem o Rio de Janeiro, com 244.418 casos e 17.180 vítimas; o Ceará, com 229.072 casos e 8.739 mortos; e Pernambuco, com 137.869 infectados e 7.914 mortos.

Receio

Cientistas receiam por um novo avanço da doença. Isso, porque após um breve período de recuo da pandemia, aglomerações se tornaram constantes e as medidas de isolamento social foram abandonadas em larga escala.

No início de julho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia declarado tendência de recuo da pandemia no Brasil. A resposta de prefeitos e governadores foi a flexibilização de medidas de distanciamento social, com resultado catastrófico. Mais de 75% dos mortos por covid-19 ocorreram a partir da segunda quinzena de julho.

Epicentros

O Brasil é o segundo país com maior número de mortos no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Já em relação ao número de doentes, a Índia ultrapassou o país latino na última semana. O país asiático possui população mais de seis vezes maior do que o Brasil, e os mortos seguem em pouco mais da metade.

O fato é que o Brasil foi o país do mundo a ficar por mais tempo no epicentro da pandemia no mundo. O cenário trágico possui relação estreita com o abandono das políticas públicas de contensão do vírus. O governo federal, de Jair Bolsonaro, rejeitou a ciência desde o início da pandemia, e estimulou, provocou, a população a ignorar medidas de segurança.