Sem transparência

Governo Doria omite dados do avanço da pandemia de covid-19 em São Paulo

Governo paulista limitou-se, nesta sexta (14) a afirmar que não houve retrocesso nas fases em que as regiões do estado se encontram

Secom/GovSP
Com covid, Doria participou por vídeo da coletiva. Omissão de dados não foi explica pelo governo tucano

São Paulo – O governo de João Doria (PSDB) omitiu hoje (14) os dados sobre a pandemia de covid-19 em São Paulo. Informações sobre novos casos, mortes e internações, além da ocupação de unidades de terapia intensiva (UTI), por região do estado, não foram divulgados como normalmente fez desde o primeiro balanço do Plano São Paulo, em 3 de junho. Apenas o mapa geral do estado foi divulgado. A RBA questionou o governo paulista sobre a omissão, mas até o fechamento desta matéria ainda não havia resposta.

O vice-governador paulista, Rodrigo Garcia (DEM), limitou a afirmar que não houve retrocesso nas fases em que as regiões do estado se encontram. Ainda segundo Garcia, todas elas estão com ocupação de UTI abaixo de 80%. Na semana passada, apenas Franca estava acima desse índice. Em todo o estado, a ocupação média de UTI é de 58%. Hoje o estado tem 26.613 mortes e 686.122 casos confirmados de covid-19.

São 15 regiões na fase 3-amarela: Araçatuba, Marília, Bauru, Sorocaba, Campinas, Piracicaba, São João da Boa Vista, Ribeirão Preto, Araraquara, Taubaté, Baixada Santista, a capital paulista e as regiões Sudeste, Sudoeste e Leste da Grande São Paulo. Três regiões estão na fase 2-laranja: Presidente Prudente, São José do Rio Preto e Barretos. E duas regiões na fase 1-vermelha: Franca e Registro.

Tudo sobre Plano São Paulo

A omissão dos dados sobre a evolução da pandemia de covid-19 pelo governo Doria não permite avaliar a situação das regiões separadamente. Em outros momentos, ainda que a situação geral do estado tenha melhorado, algumas regiões apresentaram pioras significativas. Além disso, os diferentes índices apresentam comportamentos variáveis, com queda nos casos e aumento nas mortes ou aumento nas internações e queda nas mortes.

Por exemplo, em 2 de julho, todos os índices – casos, internações e mortes – apresentaram queda. Na semana seguinte, houve nova queda de casos, mas aumento nas mortes e internações. Em 23 de julho, houve nova queda em todos os índices. Mas no dia 30, houve aumento de 54% nos novos casos em todo o estado. No último dia 6, os casos voltaram a cair, mas metade das regiões do estado teve aumento nas mortes.

Novas regras

A omissão dos dados sobre a evolução da pandemia em São Paulo pode estar relacionada com a mudança nos critérios de confirmação de casos de covid-19, definida pelo Ministério da Saúde em 5 de agosto. O governo Doria estaria tentando evitar a divulgação do registro de uma grande quantidade de casos e mortes, devido a essa alteração. Antes a confirmação só era aceita quando dada por exame laboratorial, do tipo sorológico ou RT-PCR.

Pela nova diretriz, a confirmação de casos também pode ser feita por outros critérios: clínicos, quando o profissional de saúde diagnostica a doença pelos sintomas e condições do paciente; clínico/epidemiológico, quando o paciente apresenta quadro compatível com a covid-19 e teve contato com outro paciente que tinha diagnóstico confirmado; e clínico com imagem, quando um exame de raios-x ou tomografia dos pulmões apresenta características compatíveis com a infecção causada pelo coronavírus.