Quarentena

Abertura de Doria tem novo revés e restrição máxima atinge 306 cidades

Em uma semana, seis regiões passaram da fase 2-laranja para a fase 1-vermelha da abertura de Doria, por aumento de casos e mortes causadas pela covid-19

Secom/GovSP
Apesar do tom de comemoração dado por Doria, dados mostram piora na evolução da pandemia

São Paulo – A abertura do comércio articulada pelo governador paulista, João Doria (PSDB), iniciada no dia 1º, sofreu mais um revés nesta sexta-feira (26). Em entrevista coletiva, Doria anunciou que outras seis regiões vão regredir da fase 2-laranja para a fase 1-vermelha do Plano São Paulo, em razão do aumento de casos e mortes causadas pela covid-19. No total, 306 cidades que haviam sido colocadas em fases mais avançadas da abertura pelo governo paulista, podendo reabrir shoppings, comércio, bares e restaurantes, vão entrar em restrição máxima na próxima segunda-feira (29), podendo abrir apenas os serviços essenciais.

As regiões afetadas agora são: Araçatuba, com 43 cidades; Bauru, com 39 cidades; Sorocaba, com 47; Franca, com 23; e Piracicaba, com 11. Presidente Prudente, com 53 cidades, Marília (51), Ribeirão Preto (25) e Registro (14) já estavam em situação de restrição máxima desde a última segunda-feira (22). A região de Barretos passou novamente para a fase 2-laranja do Plano São Paulo, apesar dos dados não indicarem nenhuma melhora.

Os dados do governo Doria mostram um crescimento de 35% nos novos casos de covid-19 no estado em relação à semana anterior. Também houve crescimento de 11% em número de mortes no mesmo período. Já as novas internações tiveram queda de 2%. São Paulo registrou 138.889 novos casos confirmados de covid-19 em junho – quando a abertura foi autorizada por Doria – um crescimento de 71% em relação ao mês de maio. E registrou 6.144 novas mortes, crescimento de 17%. Ambos os índices pioraram em relação à semana anterior.

Crescimento de casos

A região de Araçatuba teve 173% de aumento no número de casos e de 25% nas mortes, em relação à semana anterior. Bauru teve 167% de crescimento nos casos e de 53% nas mortes, no mesmo período. A região de Sorocaba registrou 168% mais casos e 49% mais mortes. Franca teve 194% a mais de novos casos, mas o número de mortes ficou estável. Em Piracicaba, os acréscimos foram de 118% e 107%, respectivamente.

As regiões que já estavam na fase vermelha mantiveram a condição nesta semana. Presidente Prudente teve aumento de 160% nos casos e 33% nas mortes. Ribeirão Preto registrou aumento de 150% nos casos e 45% nas mortes. Marília teve aumento 197% nos casos, mas apresentou queda de 56% nas mortes. Já Registro teve aumento de 94% nos casos e queda de 78% nas mortes.

O governo Doria, no entanto, “comemorou” os números, por serem menores que os registrados na relação entre maio e abril, quando houve aumento geral de 207% nos novos casos e de 134% nas novas mortes. A quarentena em Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Marília e Registro foi renovada até 14 de julho.

As regiões de São José do Rio Preto, Araraquara, São João da Boa Vista, Campinas, Taubaté, Baixada Santista, e as sub-regiões Leste, Oeste e Norte da região metropolitana de São Paulo, seguem na fase 2-laranja, do Plano São Paulo. A capital paulista e as sub-regiões sudeste e sudoeste da região metropolitana vão passar para a fase 2-amarela, no dia 6 de julho.

Edição: Fábio M. Michel

Números do Painel Conass