Depois da quarentena

Grupos de risco devem manter confinamento após quarentena, diz consultor do Corinthians

Médico Joaquim Grava, consultor do Corinthians, avalia também que quarentena será a base para que as pessoas tenham mais empenho em relações solidárias

Reprodução
Grava: ensino na rede particular tem superado dificuldades da quarentena com o ensino a distância

São Paulo — Os grupos de risco para a covid-19, como os de pessoas que têm pressão alta e diabetes, devem manter o isolamento depois da quarentena. Essa é a opinião de Joaquim Grava, consultor médico do Corinthians e diretor de saúde do grupo Bandeirantes de Ensino, em São Paulo.

“O fato de ter a fase de quarentena não significa que não haverá mais o vírus. As pessoas que já tiveram vírus estão com imunidade, podem sair de casa para trabalhar. Mas após a quarentena devemos manter o afastamento vertical de pessoas que tem alguma morbidade”, afirma.

Grava conversou com o jornalista Rodolpho Gamberini do canal O Planeta Azul, no YouTube. Na entrevista, o médico falou também sobre o impacto da quarentena no ensino. Ele disse que na rede particular o sistema online permite que as aulas sejam ministradas a distância sem prejuízo do aluno. E também lembrou que a qualidade do aprendizado no sistema a distância depende do aluno criar um ambiente doméstico sem ruídos e interferências para poder ter orientação total no sentido do aprendizado.

Grava destacou que há professores que preferem trabalhar com o ensino à distância, pelo fato de ter o conforto de casa, mas também reconhece que o problema são as aulas práticas que necessitam da presença do aluno e do professor. “Nesse caso, o atraso será tirado depois da pandemia”, diz. 

Confira a entrevista

Segundo o médico, o confinamento tem servido não apenas para evitar a contaminação, mas também para que cada um faça uma revisão do nosso comportamento social e adote posturas mais solidárias. Ele destaca que em relação ao vírus todos estão praticamente na mesma condição, do ponto de vista da vulnerabilidade ao risco de infecções.