pandemia

Bahia não terá leitos de UTI em junho se isolamento não for reforçado, afirma Rui Costa

Sem médicos e equipamentos, Rui Costa afirma que não adianta construir mais hospitais de campanha. Medidas mais restritivas serão adotadas no sul do estado

PMJ/Fotos Públicas
Próximo a Ilhéus, prefeitura de Jussari usou os muros do cemitério para alertar a população sobre a importância do isolamento social

São Paulo – O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou nesta segunda-feira (11) que a capacidade de atendimento dos leitos de UTI para infectados com a covid-19 deve se esgotar na última semana deste mês – ou, no máximo, na primeira semana de junho –, se o isolamento social não for reforçado em todo o estado. “A vacina contra o coronavírus chama-se ficar em casa”, afirmou.

Ele disse que não basta a construção de novos leitos hospitalares porque é “quase impossível” adquirir equipamentos como respiradores, já que a demanda é mundial. Também faltam médicos intensivistas disponíveis para contratação.

“Se estivéssemos hoje com 80% de isolamento, poderia garantir que a Bahia não teria colapso no atendimento. Mas está abaixo de 50%, na média do estado. Mantida a atual taxa, se não conseguirmos reduzir (a transmissão), nosso esgotamento seria no final do mês de maio para leitos de UTI ou, estourando, na primeira semana de junho”, afirmou Rui, em entrevista a veículos de comunicação do sul do estado.

Ilhéus, Itabuna e região

De acordo com dados atualizados nesta segunda pela Secretaria da Saúde, a Bahia registrou até o momento 5.774 casos confirmados da doença, com 204 mortes. O sul do estado é a região mais afetada, e o governador se reuniu com prefeitos da região para estudar medidas mais restritivas de isolamento. A possibilidade de decretação do chamado lockdown também não está descartada.

Segundo Rui, a situação é mais grave no município de Itabuna, que registrou alta acentuada no número de casos nos últimos cinco dias. Em Ilhéus, por outro lado, a taxa de crescimento caiu no mesmo período.

Entre as medidas de isolamento, o governador citou como exemplo o toque de recolher que vem sendo adotado na cidade de Ipiaú. A partir das 19h, apenas farmácias permanecem abertas. Além de desestimular a saída das pessoas, ações desse tipo facilitam a fiscalização do cumprimento das medidas de isolamento. O governador também afirmou que estuda o fechamento de avenidas e outras vias importantes para reduzir a circulação da população.

Isolamento em hotéis

Em parceria com a rede hoteleira, o governador anunciou que vai oferecer auxílio de R$ 500 para pessoas contaminadas que aceitarem, voluntariamente, cumprir isolamento de 14 dias em hotéis e pousadas na região. O pagamento dos benefícios ficará limitado ao número atual de casos registrados em cada município, de modo a desestimular o contágio proposital.

“Não vai ser um estímulo. Ninguém é doido de se contaminar deliberadamente, por conta de 500 reais. A lei estipula um teto máximo, que é o número atual de contaminados. Se dobrar o número de pessoas, não vamos dobrar o benefício”, disse Rui Costa. O isolamento dos contaminados serviria para provocar “um tombo” na curva de contaminação.

Críticas a Bolsonaro

O governador baiano disse ainda que o presidente Jair Bolsonaro debocha da população, ao passear de jet ski, como fez no último sábado (8), num lago em Brasília, no mesmo dia em que o Brasil alcançava a marca de 10 mil mortos pela covid-19.

“Não tem adjetivos para qualificar o comportamento desse presidente da República. Se pudesse deletar ele dos nossos comentários, seria a melhor atitude que tomaríamos. É muito triste. É deboche atrás de deboche, provocação atrás de provocação. Totalmente desqualificado”, lamentou.