Curva ascendente

OMS: 20% dos infectados com coronavírus desenvolvem casos críticos e severos

Entidade alerta para rapidez da evolução da pandemia de covid-19 no mundo. Foram três meses para se atingir 100 mil casos e apenas 12 dias para se chegar a 200 mil

wikimedia commons
A melhor medida contra a infecção pelo coronavírus continua sendo o cuidado rigoroso com a higiene e adesão ao isolamento social

São Paulo – O jornalista Jamil Chade revela que um documento confidencial elaborado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), enviado para governos nacionais na quinta-feira (19), mostra que o número de casos graves relacionados à infecção pelo coronavírus cresce de forma geral.

“Até agora sabíamos que a letalidade do vírus é relativamente baixa, ainda que, para certo grupo da população como os idosos e aqueles que tem doença crônica, isso possa representar uma ameça real”, diz ele. “Agora, o que a OMS fez foi reunir documentos de diversos governos que tiveram inúmeros casos nos últimos meses e a constatação é que 20% das pessoas afetadas desenvolve uma doença severa ou crítica a partir do novo coronavírus.”

Nesta sexta-feira, a OMS também alertou para a rapidez da evolução da pandemia de covid-19 no mundo. Foram três meses para se atingir 100 mil casos e apenas 12 dias para se chegar a 200 mil. Segundo o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, a taxa de crescimento “infelizmente mostra a curva ascendente típica de epidemias e pandemias”. Agora, de acordo com a entidade, são 209.839 casos confirmados 8.778 mortes

“Você não precisa desistir ou esperar que o pior aconteça, tratando apenas os casos mais graves. É importante continuar implementando um pacote completo de medidas que começa com o teste de todos os casos suspeitos para descobrir com o que estamos lutando”, aponta Lindmeier, lembrando que em alguns países a evolução é ainda mais rápida, como no caso da França, onde os casos diagnosticados dobraram em quatro dias.

Remédios para coronavírus

Segundo a OMS, centenas de remédios já existentes estão sendo testados contra o covid-19.

“Tem vários medicamentos antivirais sendo estudados. Existem aproximadamente 200 ensaios clínicos em andamento nesse período de tempo. Alguns dos medicamentos de combate ao sida, ou HIV, eles vêm sendo utilizados nesses ensaios clínicos”, relata à ONU News a diretora-geral assistente da organização para Acesso a Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos, Mariângela Simão.

“Por exemplo o ritonavir, o darunavir, mas ainda não tem resultados se eles vão funcionar ou não. Existe também um outro medicamento novo que foi desenvolvido inicialmente para tratar pessoas com ebola e que acabou tendo outras opções de tratamento mais efetivas, e que também está com vários ensaios clínicos para avaliar sua eficácia”, pontua.