Home Saúde e Ciência Evento debate efetivação da saúde pública como direito social no Brasil
além da resistência

Evento debate efetivação da saúde pública como direito social no Brasil

No 16º Congresso Paulista da Saúde Pública, especialistas debatem propostas para superar a crise do SUS
Publicado por Felipe Mascari
14:50
Compartilhar:   
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Objetivo do congresso é discutir, em conjunto, as principais questões relativas à efetivação da saúde como direito social dentro do atual contexto sociopolítico

São Paulo – Para compreender a crise do Sistema Único de Saúde (SUS) e desenvolver propostas para a saúde pública brasileira, o 16º Congresso Paulista da Saúde Pública começou nesta quinta-feira (28), na Universidade de São Paulo (USP). Com o tema central “Saúde em tempos de crise: para além da resistência!”, o evento vai até sábado (30).

O acesso à saúde por meio de um sistema unificado passou a ser um direito social com a Constituição Federal de 1988. Entre as regras estabelecidas está o atendimento sem preconceitos ou privilégios de qualquer gênero, mas na prática não é bem assim.

O objetivo do Congresso é discutir, em conjunto, as principais questões relativas à efetivação da saúde como direito social dentro do atual contexto sociopolítico. “Esse desmonte que vem ocorrendo nos direitos sociais conquistados vem causando um grande impacto na saúde da população. A gente percebe a falta de investimento na intervenção primária. Sem investimento na atenção básica a população adoece e usa o serviço de média”, explicou a psicóloga Shirlei Martin, em entrevista à repórter Dayane Ponte, da TVT.

O evento também abordou a dificuldade de acesso à saúde pública de alguns grupos. Agostinha, enfermeira e ativista, destacou o caso dos moradores de rua, quase sempre esquecidos pelo Estado. “Há grande dificuldade de acesso, na hora do atendimento eles lidam muito com a questão do julgamento de valores”, disse a enfermeira.

As mulheres na periferia também sofrem com a precarização. A coordenadora do Centro de Defesa e Convivência de Mulheres Rute Alonso explica que a crise no SUS tem piorado essa situação. “Sobrecarrega ainda mais essas mulheres, com dificuldade em pensar no cuidado de si e dos seus filhos. Ainda há as próprias modificações que a Lei Maria da Penha tem sofrido, nos últimos meses, em relação à saúde”, afirmou.

Durante o Congresso, especialistas concluíram que é impossível discutir saúde pública, sem considerar a violação de direitos da população mais pobre, como a falta de moradia e de alimentação. “Para o futuro, entendo que temos muitas lutas e a gente vai precisar se envolver nelas, porque pensar a nossa sociedade sem o SUS é pensar que a estratégia de genocídio, posta por esse governo, vai dar certo”, acrescentou Rute.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT