Home Saúde e Ciência Já com déficit de leitos em hospitais, prefeitura do Rio suspende Programa de Atenção Domiciliar
em colapso

Já com déficit de leitos em hospitais, prefeitura do Rio suspende Programa de Atenção Domiciliar

Sem espaço nas unidades de saúde, cerca de 900 pacientes idosos e doentes crônicos estão sem receber atendimento em casa
Publicado por Felipe Mascari
11:34
Compartilhar:   
TVT/reprodução

Falta de atendimento, sobrecarga dos profissionais e desassistência da população: descaso faz saúde pública do Rio virar calamidade

São Paulo – Com déficit de mais de 1.000 leitos em hospitais, apenas na capital fluminense, a prefeitura do Rio de Janeiro suspendeu, nesta semana, o Programa de Atendimento Domiciliar ao Idoso (Padi). O sucateamento da saúde pública na cidade já foi denunciado à Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

De acordo com a Defensoria Pública, a falta de material, de estrutura, de mão de obra qualificada, cortes no orçamento, são alguns dos motivos para o déficit de leitos. “Nós temos dois tipos de problemas: há um déficit de leitos físicos, que é agravado por conta do fechamento de leitos que operavam antes. Além disso, temos os leitos de enfermaria em geral, com alas inteiras nos hospitais que estão fechadas”, explica a defensora pública Thaisa Guerreiro.

O levantamento feito pela Defensoria Pública aponta que até três pessoas morrem por noite à espera de leito nas UTIs cariocas. Em dezembro de 2018, houve um aumento de mais de 40% na procura por vagas nessas unidades, comparado ao ano anterior. O tratamento cruel e degradante dado aos pacientes já foi denunciado à Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

“A denúncia foi feita em 2018 e ainda não temos uma decisão da comissão. O paciente pode ficar numa sala de emergência até 24 horas, segundo as normas técnicas, e depois de período recebe alta ou é internado. Porém, essas pessoas ficam até uma semana na emergência por causa da falta de leitos”, diz Thaisa.

A situação tende a piorar, pois a prefeitura encerrou o contrato com o Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde, (Iabas), responsável pelo Padi, prestava a visita de equipes multidisciplinares de saúde. Cerca de 900 pacientes estão sem atendimento, medicamentos e produtos básicos que recebiam através do programa. O Iabas é a mesma organização social que gerenciava cerca de 60 clínicas da família, na zona oeste da cidade.

Além disso, os profissionais dessas unidades de saúde estão sendo pressionados a assinar novos contratos com outra organização social, mas com salários 30% menores, sem direito à negociação ou garantia de continuidade nos empregos. “Eles impõem que você aceitar esse salário ou está fora. Com o atual desemprego, muitos preferem receber R$ 1.300 do que abrir mão do trabalho. Na clínica qual faço parte, reduziu de 32 agentes de saúde para 16 e não sabemos se todos irão continuar”, relatou um dos profissionais da organização.

O resultado é a falta de atendimento, sobrecarga dos profissionais remanescentes e desassistência da população. Para quem presta o atendimento primário, o risco é ainda maior. “Em 2017 para cá, 1.800 agente comunitário de saúde já foram demitidos. Com essa nova reformulação e um novo contrato assinado, haverá também demissões que podem chegar mais 400 agentes”, acrescenta o profissional.

O Padi funciona desde 2010 no Rio de Janeiro a um custo de aproximadamente R$ 900 mil por mês. Em média, três equipes multidisciplinares ficam nos hospitais municipais Miguel Couto, Salgado Filho, Lourenço Jorge, Pedro II e Francisco da Silva Teles. A prefeitura ainda não contratou nenhuma empresa para oferecer o serviço.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT