Home Saúde e Ciência Combate à dengue: gestão Covas utilizou veneno com validade vencida
São Paulo

Combate à dengue: gestão Covas utilizou veneno com validade vencida

Problema compromete o combate aos focos do mosquito e coloca em risco a segurança dos servidores que aplicam o produto
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
10:56
Compartilhar:   
reprodução

Produto utilizado pelos trabalhadores estava vencido, o que compromete a eficácia do produto e a saúde dos profissionais

São Paulo – O Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo (Sindsep) denunciou o uso de veneno com a data de validade vencida no combate ao mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, do zika vírus e das febres amarela e chikungunya. Segundo trabalhadores das Unidades de Vigilância em Saúde (Uvis), os frascos de Deltametrina que estavam sendo utilizados nas nebulizações (o chamado fumacê), foram usados por semanas após expirar a validade, em maio. A situação prejudica o combate à dengue e traz risco à saúde dos trabalhadores.

O Sindsep apresentou a denúncia para a própria gestão Covas, à Secretaria Municipal da Saúde e à Comissão de Saúde da Câmara. Segundo o documento, o inseticida Melathion, usado anteriormente, também estava vencido antes de esgotar no estoque do Divisão de Vigilância de Zoonoses (DVZ). Os trabalhadores relataram que o produto tinha “forte cheiro de podre”. Há também relatos de que os trabalhadores passaram por não receber instruções adequadas de uso do produto e que o material vencido estava causando entupimentos e danificando os equipamentos de nebulização.

Os trabalhadores também relataram dificuldades para realização das ações, como falta de combustível para os veículos que realizam o fumacê e proibição do uso de veículos para transporte do equipamento de nebulização. O Sindsep também relatou reclamações por execução de ações de combate à dengue fora do protocolo.

“O uso do inseticida exige o cumprimento de uma série de regras e protocolos de utilização. Esses protocolos são relativos à saúde dos trabalhadores e à eficácia do enfrentamento à epidemia. A nebulização em dias de sol, chuva ou garoa perde boa parte da sua eficiência. No entanto, há relatos de que estaria sendo realizada para ‘bater metas’, mesmo sendo operações irregulares frente ao protocolo orientado”, diz a organização.

Após uma redução de casos em 2018, o número de pessoas infectadas pela dengue disparou em 2019. Até 17 de junho, foram registrados 12.144 casos de dengue na capital paulista. No estado de São Paulo já são 267 mil casos. As cidades com mais notificações, além da capital, são: São José do Rio Preto (25.107); Bauru (24.515); Campinas (22.355); Araraquara (12.863); Ribeirão Preto (7.263); Birigui (6.836); São Joaquim da Barra (5.410); Barretos (5.059) e Guarulhos (4.812).

A gestão Covas não se manifestou sobre o caso.