Home Saúde e Ciência Ácido para fluoretação de água da Baixada Santista tem substâncias químicas cancerígenas
Saúde pública

Ácido para fluoretação de água da Baixada Santista tem substâncias químicas cancerígenas

Ácido fluossilícico, utilizado como matéria-prima para fluoretação de água da Baixada Santista, apresenta metais pesados tóxicos e cancerígenos, como arsênio, alumínio e mercúrio
Publicado por Luciano Velleda, para a RBA
19:29
Compartilhar:   
Divulgação/SETUR

Autores do estudo dizem que os contaminantes encontrados no ácido fluossilícico estão em desacordo com os valores permitidos, e destacam não existir nível seguro quando se trata de substância cancerígena

São Paulo – Conhecida como a “fonte da vida”, a água pode estar sendo a origem de graves doenças para muitas pessoas. Estudo realizado pelo cirurgião-dentista Ciro Capitani dos Santos, sob orientação da professora doutora Flávia Gonçalves, revela a presença de contaminantes no ácido fluossilícico (flúor) usado na fluoretação da água de abastecimento público da Baixada Santista. De acordo com a pesquisa, foram encontrados metais pesados tóxicos e cancerígenos em sua composição que estão em desacordo com os valores permitidos pela American Water Works Association –  a Agência Americana de Água.

O trabalho científico foi apresentado na tarde desta segunda-feira (3), no Simpósio Santos Sustentável, durante palestra intitulada “Saneamento Ambiental: Água, Esgoto e Resíduos Sólidos”.

Segundo o químico e engenheiro industrial Élio Lopes, diretor-técnico adjunto do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (CREA-SP) e coorientador da pesquisa, o uso do ácido fluossilícico (flúor) na água que abastece as populações é um tema de interesse mundial, considerando que a substância é um subproduto da indústria de fertilizantes.

Apesar da relevância, ele diz que ainda faltam estudos aprofundados sobre o tema. Élio Lopes explica que, na Baixada Santista, o ácido fluossilícico (flúor) passou a ser usado na água quando se estabeleceu um plano de controle ambiental para diminuir a poluição de Cubatão, que nos anos de 1980 chegou a ser considerada a cidade mais poluída do mundo.

A pesquisa teve como objetivo verificar as substâncias que compõem o ácido fluossilícico (flúor). “Ele (ácido fluossilícico) traz uma série de metais pesados, alguns tóxicos, como é o caso do arsênio, cádmio, alumínio e mercúrio. Inclusive, o arsênio é altamente cancerígeno”, afirma o químico, em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual.

Ciro Capitani dos Santos, autor do estudo, explica que as empresas de fertilizantes não controlam a qualidade das substâncias que compõem o ácido fluossilícico (flúor). Ele pondera que grande parte dos contaminantes encontrados estão em desacordo com os padrões máximos permitidos, porém, quando adicionados na água, acabam sofrendo uma diluição, conferindo então a água de abastecimento público, concentrações dentro dos padrões. Mesmo assim, o perigo é latente, pois quando se tratam de substâncias cancerígenas, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), não existirem valores seguros. “Eles são cumulativos no corpo humano, então, ao longo do tempo, acabam causando um risco à saúde pública.”

Ouça a entrevista na íntegra