Home Saúde e Ciência Consulta pública da Anvisa sobre uso de glifosato no Brasil manipula dados
Veneno na mesa

Consulta pública da Anvisa sobre uso de glifosato no Brasil manipula dados

Documento afirma, por exemplo, que apenas 0,03% da água potável apresenta resíduo de glifosato acima do limite permitido, porém esconde que o limite no Brasil é cinco mil vezes superior ao da União Europeia
Publicado por Redação RBA
12:33
Compartilhar:   
Arquivo EBC
Consulta pública sobre glifosato no Brasil

No Brasil, o limite de resíduo de glifosato permitido na soja é 200 vezes maior do que o estabelecido na Europa

São Paulo — A consulta pública aberta pela Anvisa para reavaliação do uso de glifosato no Brasil, o agrotóxico mais utilizado no país, contém informações que podem confundir a população sobre o assunto. A opinião é de Larissa Mies Bombardi, pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) e autora do Atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia

Para ela, o documento que acompanha a consulta pública, intitulado “Apresentação sobre o glifosato”, é uma “clara tentativa de manipular a opinião pública sobre o que é o glifosato”, afirmou Larissa Bombardi em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual. 

A pesquisadora justifica sua opinião explicando que o documento apresenta a avaliação do resíduo de glifosato na água potável e em alguns alimentos. No caso da água para consumo humano, segundo a avaliação da Anvisa, há apenas 0,03% de glifosato acima do limite permitido. 

“Quando a gente olha isso, dá uma certa tranquilidade, mas o que não aparece no documento é que os limites no Brasil são cinco mil vezes maiores do que os limites permitidos na União Europeia”, alerta Larissa. 

Ela ainda define como “assustador” outro dado apresentado pela Anvisa, o qual mostra que 27% da água coletada para a análise teve resíduo de glifosato. 

“A gente estabelece no Brasil um limite que é uma exorbitância, de 0,5 mg de glifosato por litro, enquanto na Europa o limite é de 0,0001 mg por litro, e depois se ‘comemora’ que só tem 0,03% acima do limite”, criticou. “É o famoso ‘me engana que eu gosto’. O Brasil estipula um limite absurdo e depois comemora que pouco está acima do limite.” 

Para a pesquisadora, a maneira como a Anvisa está apresentando as informações na consulta pública é uma “obscenidade”. No Brasil, o uso do glifosato é permitido nos cultivos de algodão, ameixa, arroz, banana, cacau, café, cana, citros, coco, eucalipto, fumo, maça, mamão, milho, pêra, pêssego, trigo, uva, soja e na criação de patos. No caso da soja, o limite de resíduo de glifosato permitido é 200 vezes maior do que o estabelecido na Europa. 

“E quando a Anvisa escolhe mostrar no documento o resíduo de glifosato nos alimentos, estranhamente escolhe o arroz, manga e uva. Por que não escolheu a soja e o milho, que são cultivos transgênicos? Temos no Brasil uma área equivalente a quatro vezes o tamanho de Portugal só de soja transgênica. O cultivo transgênico está pronto pra receber o herbicida. É evidente que na manga e na uva o resíduo vai ser de forma muito mais periférica.” 

Ouça a entrevista na íntegra