Veneno na mesa

Consulta pública da Anvisa sobre uso de glifosato no Brasil manipula dados

Documento afirma, por exemplo, que apenas 0,03% da água potável apresenta resíduo de glifosato acima do limite permitido, porém esconde que o limite no Brasil é cinco mil vezes superior ao da União Europeia

Arquivo EBC
Consulta pública sobre glifosato no Brasil

No Brasil, o limite de resíduo de glifosato permitido na soja é 200 vezes maior do que o estabelecido na Europa

São Paulo — A consulta pública aberta pela Anvisa para reavaliação do uso de glifosato no Brasil, o agrotóxico mais utilizado no país, contém informações que podem confundir a população sobre o assunto. A opinião é de Larissa Mies Bombardi, pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) e autora do Atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia

Para ela, o documento que acompanha a consulta pública, intitulado “Apresentação sobre o glifosato”, é uma “clara tentativa de manipular a opinião pública sobre o que é o glifosato”, afirmou Larissa Bombardi em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual. 

A pesquisadora justifica sua opinião explicando que o documento apresenta a avaliação do resíduo de glifosato na água potável e em alguns alimentos. No caso da água para consumo humano, segundo a avaliação da Anvisa, há apenas 0,03% de glifosato acima do limite permitido. 

“Quando a gente olha isso, dá uma certa tranquilidade, mas o que não aparece no documento é que os limites no Brasil são cinco mil vezes maiores do que os limites permitidos na União Europeia”, alerta Larissa. 

Ela ainda define como “assustador” outro dado apresentado pela Anvisa, o qual mostra que 27% da água coletada para a análise teve resíduo de glifosato. 

“A gente estabelece no Brasil um limite que é uma exorbitância, de 0,5 mg de glifosato por litro, enquanto na Europa o limite é de 0,0001 mg por litro, e depois se ‘comemora’ que só tem 0,03% acima do limite”, criticou. “É o famoso ‘me engana que eu gosto’. O Brasil estipula um limite absurdo e depois comemora que pouco está acima do limite.” 

Para a pesquisadora, a maneira como a Anvisa está apresentando as informações na consulta pública é uma “obscenidade”. No Brasil, o uso do glifosato é permitido nos cultivos de algodão, ameixa, arroz, banana, cacau, café, cana, citros, coco, eucalipto, fumo, maça, mamão, milho, pêra, pêssego, trigo, uva, soja e na criação de patos. No caso da soja, o limite de resíduo de glifosato permitido é 200 vezes maior do que o estabelecido na Europa. 

“E quando a Anvisa escolhe mostrar no documento o resíduo de glifosato nos alimentos, estranhamente escolhe o arroz, manga e uva. Por que não escolheu a soja e o milho, que são cultivos transgênicos? Temos no Brasil uma área equivalente a quatro vezes o tamanho de Portugal só de soja transgênica. O cultivo transgênico está pronto pra receber o herbicida. É evidente que na manga e na uva o resíduo vai ser de forma muito mais periférica.” 

Ouça a entrevista na íntegra