Eleições 2018

Associação Paulista de Medicina apresenta propostas de saúde para candidatos

Documento enviado aos presidenciáveis e candidatos ao governo do estado pede o fortalecimento do SUS, a revogação do Teto de Gastos e uma maior fiscalização das escolas de medicina

sbp/divulgação
drmarun.jpg

O pediatra e diretor da APM Marun David Cury ressalta a obrigação de se tratar a saúde como ‘questão de Estado’

São Paulo – O compromisso com o Sistema Único de Saúde (SUS), bem como seus princípios e diretrizes, integram um conjunto de propostas consideradas essenciais para o aprimoramento da saúde, sugerido em documento enviado aos candidatos à Presidência da República e ao governo do estado de São Paulo pela Associação Paulista de Medicina (APM).

Entre as propostas defendidas, a APM destaca a derrubada da Emenda Constitucional 95, com a reversão do congelamento de recursos em saúde por 20 anos. Além disso, defende a realização de investimentos a partir de um limite mínimo de 10% da receita corrente bruta da União na área, de forma a não sobrecarregar os estados e municípios, e a fiscalização das escolas de medicina.

Ao repórter Cosmo Silva, da Rádio Brasil Atual, o médico pediatra e diretor da APM Marun David Cury ressaltou a obrigação de todas as instâncias de poder e partidos de tratarem a saúde como uma “questão de Estado”, com um pacto nacional e planos estratégicos para dar conta das demandas e especificidades das diversas regiões, como o baixo número de médicos em alguns lugares.  

O diretor cita, como exemplo, o estado do Piauí, que dispõe de menos de um médico para cada mil habitantes enquanto São Paulo tem cinco médicos para a mesma quantidade de pessoas. “Hoje a gente forma mais de 30 mil médicos por ano, é muito médico para a população. O que precisa é distribuí-los melhor”, defende.

Ouça a íntegra da reportagem: