Home Saúde e Ciência Presidenta de OSS admite que dirigentes ganham acima do teto do estado
mordomia

Presidenta de OSS admite que dirigentes ganham acima do teto do estado

Irmã Rosane Ghedin, que administra a Casa de Saúde Santa Marcelina, disse que salários ficam entre R$ 25 mil e R$ 30 mil
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
18:14
Compartilhar:   
Edson Lopes Jr./ GESP
Irmã Rosane Ghedin.jpg

A irmã Rosane justificou que as contratações de empresas são necessárias para prestar serviços médicos

São Paulo – A presidenta da organização social de saúde (OSS) Casa de Saúde Santa Marcelina, irmã Rosane Ghedin, disse, em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura irregularidades nos contratos de gestão com o governo paulista, que os dirigentes dessa organização recebem salários entre R$ 25 mil e R$ 30 mil por mês. “Temos salários de diretores superiores ao salário do governador. A organização é anterior à legislação que impõe o teto e também ao decreto”, justificou.

“Não está cumprindo a legislação. Se são entidades filantrópicas, as pessoas que a dirigem devem trabalhar sem remuneração. É que elas tomaram um porte tão grande que acabam contratando executivos, pessoas especializadas. Mas a legislação não permite isso e a comissão vai tomar providências”, criticou o presidente da CPI, deputado estadual Edmir Chedid (DEM). O teto no estado de São Paulo é o salário do governador, atualmente em R$ 22.388,14. O entendimento dos deputados é que as OSS trabalham com recursos públicos, logo devem respeitar as normas de remuneração públicas e a transparência.

Ele lembrou que a comissão está estabelecendo um convênio com o Ministério Público Estadual e que todas medidas serão tomadas para combater essa situação. Chedid lembrou que as organizações contratam empresas para prestar serviços médicos – chamadas de quarteirização – e muitas delas têm servidores públicos como sócios. “Isso também não é possível, é proibido pela legislação”, afirmou o presidente.

A situação se repete na OSS Santa Marcelina. Apenas no Hospital Geral Santa Marcelina, no Itaim Paulista, zona leste da capital, a OSS gastou R$ 3,3 milhões com a Neocare Serviços Médicos e Consultoria, que atua em neonatologia. A empresa terceirizada tem cinco servidores públicos como sócios. E o contrato não define quantos profissionais devem atuar no setor do hospital para efetiva prestação do serviço de neonatologia.

A irmã Rosane, assim como outros dirigentes dessas organizações, disse que não é responsabilidade das entidades verificar se o sócio da empresa é servidor. “Mas conhecimento do estatuto, mas não de pessoas específicas. Essa responsabilidade é individual. Eles têm o vínculo e essa responsabilidade é deles”, afirmou. Ela também disse que não entende esse tipo de contratação como quarteirização. “As OSS não são terceirizadas, somos parceiras. Logo, não há quarteirização”, disse.

A OSS Santa Marcelina tem contratos da ordem de R$ 1 bilhão por ano com o governo paulista e a prefeitura de São Paulo. A irmã Rosane justificou que as contratações de empresas são necessárias para prestar alguns dos serviços médicos, para os quais não se consegue profissionais. “Temos 200 médicos celetistas. Tudo que é possível fazermos por CLT. Mas não consigo, por exemplo, formar uma equipe de neonatologia sem esse tipo de contratação”, explicou.

O deputado estadual Carlos Neder (PT) defendeu que é preciso a CPI tomar uma atitude contra isso. “Mais uma vez temos essa situação. O governo não controla, a OSS também não tem. Para nós, bastou uma simples consulta aos sócios e lançar os nomes no portal da transparência para verificar isso”, afirmou. Ele também criticou a contratação de assessoria jurídica e administrativa com verba dos contratos de gestão. “Há um descontrole administrativo que consome milhões que não chegam à população como serviço de saúde”, concluiu.

Também foi ouvido hoje o presidente interino da Fundação para o Desenvolvimento Médico Hospitalar (Famesp), Trajano Sardenberg. Ele foi confrontado com os mesmos problemas das demais organizações e deu respostas semelhantes. No entanto, não soube explicar porque o ex-presidente da organização Antonio Rugolo Júnior, atual secretário-adjunto da Saúde, apenas se licenciou do cargo, em vez de deixar definitivamente a OSS.

Para Neder, a situação expõe mais ainda o conflito de interesses na escolha de Rugolo. “Ele não deixou o cargo na Famesp porque não sabe se vai permanecer no cargo no próximo ano, quando um novo governo assumirá o estado. Isso evidencia mais uma vez a confusão entre público e privado na secretaria da Saúde. Temos um gestor de OSS, que nem sequer deixou oficialmente o cargo no segundo posto mais importante da saúde estadual”, criticou.

A CPI volta a se reunir amanhã (20), às 11h, para ouvir os depoimentos de Valter Foleto Santin, promotor de Justiça do Patrimônio Público; Eduardo Ribeiro Adriano, ex secretario-adjunto de Saúde do governo paulista; e Renata Gomes dos Santos, advogada lotada na Secretaria de Estado da Saúde.

Saiba mais:

CPI das OSS quer ouvir David Uip, ex-secretário da Saúde de Alckmin