Home Saúde e Ciência Cidade de São Paulo terá sete centros de parto normal até 2016
maternidade

Cidade de São Paulo terá sete centros de parto normal até 2016

Seis serão implementados em hospitais municipais e um irá para hospital estadual, atendendo todas as regiões da cidade. Estão previstas também sete casas de gestante
Publicado por Redação RBA
12:23
Compartilhar:   
Marcelo Camargo/ABr
Gestante

Gestantes fazem sessão de fisioterapia na casa de parto Casa Ângela

São Paulo – A cidade de São Paulo vai ganhar sete centros de parto normal até 2016, sendo seis em maternidades municipais e outro em maternidade estadual, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. Neles, o que prevalece é o respeito ao tempo do bebê e da mãe. As intervenções obstétricas são evitadas, a mulher escolhe a posição que deseja parir, e acompanhantes e doulas são bem-vindos.

Além disso, está prevista a criação de sete casas de gestante, bebê e puérperas em hospitais e maternidades de atenção à gestante de alto risco, segundo a Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres.

Na rede municipal serão implementados dois centros de parto normal na zona leste, no Hospital Municipal Emerlino Matarrazo e no Hospital Waldomiro de Paula. Outras duas serão instaladas na zona sul, no Hospital do M`Boi Mirim e no Amparo Maternal, um na zona norte, no Hospital de Pirituba, e um na zona oeste, no Hospital Jardim Sarah. Na rede estadual, será instalado um centro, no Hospital e Maternidade Leonor Mendes de Barros, na zona leste.

Os equipamentos fazem parte do programa Rede Cegonha, do governo federal, que irá investir R$ 83 milhões nas unidades. Os centros contarão com uma equipe multidisciplinar e terão cinco quartos com capacidade de realizar até 80 partos por mês. O objetivo é reduzir o número de cesarianas desnecessárias e os casos de mortalidade materna.

“A proposta é que sejam encaminhadas para esses as centros mulheres de baixo risco, que serão atendidas por obstetrizes, com parto humanizado, e não uma coisa medicamentosa, como é hoje”, diz a assessora da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres Ana Lúcia Cavalcante. “Queremos oferecer assistência de qualidade às mulheres e respeito ao seu direito de decidir.”

Os centros de parto normal serão parecidos com as chamadas casas de parto. A diferença é que eles funcionarão ao lado de maternidades, para facilitar o acesso aos hospitais em casos de complicações. “A grande discussão é a distância entre a casa de parto e o hospital, porque o risco diminui tanto para o profissional como para a paciente. Eles estarão a 200 metros das maternidades e terão toda a assistência do parto humanizado”, diz Ana Lúcia.

Atualmente, existem na cidade apenas duas casas de parto: a de Sapopemba, que é pública, e Casa Ângela, na zona sul, vinculada à ONG Monte Azul. Tramitou na Câmara Municipal um projeto de lei da vereadora Juliana Cardoso (PT) que prevê a criação de casas de parto na cidade. O texto já foi sancionado pelo prefeito Fernando Haddad e aguarda regulamentação, por meio de audiências públicas.  

Muitos técnicos e médicos têm certo receio por achar que é perigoso e acaba passando essa ideia para as pessoas que utilizam o serviço”, avalia a vereadora. “É um avanço iniciar essa luta nos hospitais, mas precisamos batalhar para que sejam casas de parto mesmo, não apenas as dentro do hospital.”

Aborto legal

Os serviços de aborto legal na rede municipal de saúde de São Paulo também serão incrementados, de acordo com a Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres. Será oferecido o atendimento no Hospital Tide Setubal, em São Miguel Paulista, e reativado no Hospital Artur Saboya, no Jabaquara, onde faltava ginecologista. O profissional começará a atender até o final deste mês.

“O serviço completo será retomado e não será necessário enviar para o Hospital Pérola Bygton que esteve sobrecarregado. O serviço estava mantido por pessoal competente, mas que não podia completar o atendimento por falta de médico”, diz nota da secretaria. “Há normas técnicas elaboradas pelo Ministério da Saúde que serão rigorosamente seguidas, que estão amparadas na legislação para os casos de abortos resultantes de estupro.”