Você está aqui: Página Inicial / Revista do Brasil / Edição 28 / Pra francês ler
Número 28, Outubro 2008

Resumo

Pra francês ler

por Evelyn Pedroso e Vitor Nuzzi publicado , última modificação 23/11/2017 15h40
Ohi
charge28

A informação está correndo o mundo. O Le Monde de 2 de setembro publicou a seguinte notícia, extraída de um site: “Lute contra o aumento dos preços dos produtos alimentares comprando terras no Brasil: Entre novembro de 2007 e maio deste ano 2008, os investidores estrangeiros adquiriam 2,2 milhões de hectares. O anúncio é tentador. ‘À venda, por US$ 3 milhões, preço negociável, 482 mil hectares de floresta virgem, imediatamente disponíveis. Elevada probabilidade de petróleo e gás natural, ou ainda, ouro e outros minerais.’ A propriedade fica nas profundezas da Amazônia. Nos últimos anos, o imenso Brasil, 16 vezes maior que França, suscitou o interesse dos investidores estrangeiros, ansiosos por fazendas e plantações”. A venda de terras corre solta.

Pelados, uni-vos

O povoado de Jacumã, a 30 quilômetros de João Pessoa, foi sacudido por 2.500 homens e mulheres naturistas. Vieram de 33 países para o 31º Congresso Internacional de Naturismo, no início de setembro, na praia de Tambaba. Muito à vontade, discutiram estratégias de expansão da causa. Para os praticantes, o naturismo proporciona uma relação mais saudável com o corpo, liberta da ditadura consumista da beleza e estimula a auto-confiança.

Para entender a Bolívia

As transformações que acontecem na Bolívia – como a nacionalização do petróleo e do gás, a priorização de investimentos em saúde, educação, o combate à pobreza, a radicalização da reforma agrária – explicam os conflitos que atormentam o governo de Evo Morales. O livro-reportagem do jornalista Leonardo Severo, Bolívia nas Ruas e Urnas contra o Imperialismo (Editoria Limiar, 56 páginas, R$ 16), na segunda edição, retrata a complexidade do cenário boliviano, descreve as manipulações da mídia e o pavor de setores da elite local que tentam golpear o presidente eleito.

Operação abafa

Depois da Operação Satiagraha, uma rede composta por parlamentares, advogados e órgãos de imprensa – tendo como quartel-general a CPI dos grampos, não faz outra coisa senão hostilizar as investigações. Com os delegados Protógenes (PF) e Paulo Lacerda (Abin) afastados, o próximo alvo é Fausto De Sanctis, juiz que determinou as prisões de DD e contra quem o deputado Raul Jungmann (PPS-PE) entrou com uma representação no Conselho Nacional de Justiça.

Vidraça

A CPI estadual que investiga a ação das milícias no Rio de Janeiro vai querer ouvir os deputados federais Marcelo Itagiba (PMDB) e Marina Maggessi (PPS). Os dois têm em comum o fato de já terem sido autoridades da segurança pública. “Eles não só não enfrentaram as milícias, como nessas áreas se beneficiaram eleitoralmente. Isso, no meu entendimento e no da CPI, é muito grave”, disse o presidente da comissão, deputado estadual Marcelo Freixo (PSol). No Congresso, Itagiba preside a CPI dos grampos, que gente séria da imprensa diz ser controlada por Daniel Dantas.

Causa e efeito

De setembro de 2005 a setembro de 2007, o Comitê de Política Monetária reduziu a taxa básica de juros de 19,75% para 11,25% ao ano. Foram sucessivas quedas ao longo de 18 reuniões. Não por acaso, o PIB foi empurrado para cima e as taxas de desemprego, para baixo. O mais recente índice de desemprego anunciado pelo IBGE, de 8,1%, foi o mais baixo da série histórica do Instituto. O crescimento anualizado do PIB anunciado no último 10 de setembro, de 6%, surpreendeu até os mais otimistas. Mas, a pretexto de combater a inflação, pela qual o crescimento não tem culpa, no mesmo dia o Copom afundou o pé no freio, com mais 0,75 ponto nos juros. E a Selic, estacionada em 11,25% desde outubro/2007 e em alta desde abril deste ano, não deve parar nos atuais 13,75%. Os prejuízos dessa seqüência ainda estão por vir, avisa o ministro Guido Mantega – que esconde cada vez menos seu desconforto com o BC.

Buraco sem fundo

As construtoras Camargo Corrêa e Queiroz Galvão venceram a licitação para a construção da via permanente e do sistema de terceiro trilho da expansão da linha 2-Verde do Metrô de São Paulo. A Folha de S.Paulo antecipou o resultado, por meio de texto cifrado. O Metrô afirmou que não há irregularidade e que empresas “não habilitadas tecnicamente a atender às exigências de alta qualificação” da empresa vêm promovendo “guerra de liminares, recursos e notas na imprensa, procurando colocar em dúvida a lisura dos procedimentos”. As vencedoras, habilitadas a atender às exigências de alta qualificação, fazem parte do consórcio responsável pela construção da linha 4-Amarela, na qual aconteceu o acidente na futura estação Pinheiros, em janeiro de 2007, quando sete pessoas morreram.

Alguém não sabia?

O Fórum Econômico Mundial apontou que o Brasil tem um dos piores sistemas financeiros do mundo. O ranking leva em consideração mais de 120 aspectos das economias locais, como estabilidade institucional, ambientes empresariais e equilíbrio financeiro, além do tamanho dos mercados de capitais. Os EUA, apesar da turbulência, lideram a lista, por seu “mercado robusto”.

No freezer

Há 26.887 embriões humanos produzidos por fertilização in vitro disponíveis para pesquisas e terapias com células-tronco em clínicas de reprodução assistida do país, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A legislação autoriza apenas o uso de embriões considerados inviáveis ou congelados há três anos, e até 28 de março de 2005. Outros 20 mil embriões congelados em bancos de células após a data de sanção da Lei de Biossegurança, mantidas as regras atuais, não poderão ser usados nem com o consentimento dos pais.

Licença de 6 meses

O presidente Lula sancionou a lei que amplia a licença-maternidade para seis meses. Os dois meses adicionais são facultativos. Empresas que aderirem terão abatimento no imposto de renda a partir de 2010. Para ter direito, a trabalhadora terá de fazer a requisição até o fim do primeiro mês após o parto. A medida vale também para adoções. O abatimento no IR não vale para micro e pequenas empresas inscritas no Simples. Lula vetou a permissão às empresas de recolher ao INSS nos meses extras de licença.

registrado em: