Você está aqui: Página Inicial / Revista do Brasil / Edição 21 / o xis da questão
Número 21, Fevereiro 2008

Pasquale

o xis da questão

O “x” talvez seja o maior vilão do sistema gráfico de nossa língua. Mas o emprego do “e” e do “i” também costuma trair redatores desatentos
por Pasquale Cipro Neto publicado 04/04/2013 12h23, última modificação 02/10/2017 17h24
O “x” talvez seja o maior vilão do sistema gráfico de nossa língua. Mas o emprego do “e” e do “i” também costuma trair redatores desatentos
Mendonça
x

O “x” talvez seja o maior vilão do sistema gráfico de nossa língua, já que atua como verdadeiro curinga, o que se constata quando se analisa seu som em palavras como “exame”, “xarope”, “máximo” e “fixo”, sem contar seu emprego em vocábulos como “excepcional”, “exceto” e “exceção”, em que não faria a menor falta. A respeito do “x”, por sinal, recomendo a leitura de uma das deliciosas histórias do livro 16 Linhas Cravadas, de mestre Mário Lago.

Pode-se garantir pouco a respeito do emprego do bendito “x”. Um caso quase líquido e certo é o dos ditongos. Depois deles, não há “ch”: “baixo”, “frouxo”, “ameixa”, “deixar”, “caixa”, “seixo”. A exceção fica por conta da família de “caucho” (“recauchutar”, “recauchutagem”, “recauchutadora” etc.). A palavra “caucho”, de origem indígena, nomeia uma árvore amazônica com cujo látex se faz borracha de qualidade inferior.

Um caso que muitos autores citam é o do grupo “en”, depois do qual se emprega “x”, desde que não se trate de palavra derivada de outra que comece por “ch”. Temos, pois, “enxame”, “enxaqueca”, “enxoval”, “enxada”, “enxerto”, “enxaguar”, “enxergar”, “enxofre”, “enxugar”, “enxotar”, “enxerido” etc.

Ocorre, porém, que a lista das que derivam de outras iniciadas por “ch” é tão grande que talvez a “regra” tenha pouca utilidade. Veja estes casos: “encher” (de “cheio”), “enchapelar” (de “chapéu”), “encharcar” (de “charco”), “enchiqueirar” (de “chiqueiro”), “enchouriçar” (de “chouriço”) etc. Merece registro, ainda, o caso de “enchova”, forma que mantém o “ch” de “anchova”, da qual é variante. Não confunda “enchova” com “enxova”, que equivale a “enxovia” e significa “cárcere escuro”.

Palavras de origem indígena ou africana e as inglesas aportuguesadas são grafadas com “x”: “abacaxi”, “xavante”, “xampu”, “xerife”, “orixá” etc. Como se vê, é pouco o que se pode fazer a respeito de “x” e “ch”. Valem, pois, as velhas orientações: ler muito e, na dúvida, consultar dicionários. O contato com as palavras facilita a memorização da grafia.

Vejamos agora algumas orientações sobre o emprego das letras “e” e “i”. Um erro bastante comum ocorre quando se conjugam verbos terminados em “uir”, como “possuir”, “atribuir”, “substituir”, “distribuir”, “destruir” etc. Na terceira pessoa do singular do presente do indicativo, muita gente emprega a letra “e”, em vez de “i”, o que é errado. São erradas as formas “substitue”, “possue”, “influe”, “conclue”, “destroe”, “diminue” etc. As formas corretas são “substitui”, “possui”, “influi”, “conclui”, “distribui”, “destrói”, “diminui” etc.

Esse erro talvez se explique pelo fato de formas de verbos terminados em “ir” sem vogal anterior (como “permitir”, “decidir”, “pedir”) serem grafadas com “e”: “permite”, “decide”, “pede”. A terminação “e” em formas como essas talvez seja o motivo do erro, o que o explica, mas não o torna possível. É preciso conhecer a forma correta.
Os verbos terminados em “air” e em “oer” também apresentam a terminação “i”: “cai” (de “cair”), “sai” (de “sair”), “atrai” (de “atrair”), “mói” (de “moer”), “rói” (de “roer”), “dói” (de “doer”) etc. Não caia na tentação de escrever “doe”, “moe”, “roe”, erros que ocorrem certamente por influência de formas de verbos terminados no grupo “er” sem vogal anterior, como “beber” (“bebe”), “sofrer” (“sofre”) e “esquecer” (“esquece”).

E não esqueça que em muitos casos o acento muda tudo: “ele sai” (presente)/”eu saí” (pretérito); “ele cai” (presente)/”eu caí” (pretérito); “ele atrai” (presente)/”eu atraí” (pretérito).
Para encerrar, é oportuno lembrar a grafia de palavras chatinhas, como “privilégio”, “discrição” (qualidade de quem é discreto), “crânio”, “candeeiro”, “irrequieto”, “umedecer”, “intitular”, “relíquia”, “pontiagudo”, “disenteria”, “lacrimogêneo”, “empecilho”, “seriema”, “camoniano” (relativo a Camões), “rodriguiano” (relativo a Nelson Rodrigues) etc.

Pasquale Cipro Neto é professor de Língua Portuguesa, idealizador e apresentador do programa Nossa Língua Portuguesa, da TV Cultura