curta essa dica

Livro desconstrói mito da democracia racial em São Paulo

Trabalhadores negros são excluídos de empregos com maior relevância econômica desde o início do período republicano. Confira também lançamentos de Ferréz e Lenine, a Semana do Brincar em todo o país e um sarau feminista na Casa das Rosas, em São Paulo

marc ferrez
livro.jpg

Negros na lavoura do café: oligarquias eram “profundamente racistas”

“Precisa-se de uma boa lavadeira e engomadeira branca para lavar em sua própria casa.” “Lavadeira branca para senhor só.” “Lavadeira, que saiba engomar, branca, para casa de família.” “Precisa-se de perfeita cozinheira estrangeira, que durma no aluguel, tratar-se Av. Paulista, 60.” O racismo no início do século 20 no Brasil não era velado, como mostram esses anúncios publicados originalmente no jornal Diário Popular, entre 1912 e 1913. A escravidão no Brasil durou mais de 350 anos e marcou de maneira profunda a formação econômica, social, política e cultural do país – e seus efeitos perversos continuam até hoje.

É por isso que o historiador Ramatis Jacino debruçou-se em pesquisas durante quatro anos, na tentativa de compreender as razões e os mecanismos da exclusão da mão de obra negra na cidade de São Paulo, o epicentro econômico e financeiro do país nas primeiras décadas da República. Resultado de trabalho que lhe deu o título de doutor em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP), o livro Transição e Exclusão – O Negro no Mercado de Trabalho em São Paulo Pós-Abolição – 1912/1920 (Nefertiti Editora, 226 págs.) constata que houve uma opção por “branquear” o mercado de trabalho por parte das elites, que ao privilegiar os imigrantes europeus negaram ao homem e à mulher negra ocupações valorizadas socialmente e mais bem remuneradas.

“A ideia de pesquisar a exclusão do negro no mercado de trabalho ao final do período escravista surgiu durante a minha graduação, quando pensei em buscar as razões da atual discriminação que homens e mulheres negras vivenciam no mercado de trabalho e na sociedade”, afirma Jacino. O autor comprovou que mesmo atividades historicamente consideradas “ocupações de negros” – serviços domésticos, comércio de rua, atendimento a saúde e demais atividades até então consideradas desprezíveis para brancos – começaram a ser disputadas pelos imigrantes europeus. Estes eram favorecidos por “ações administrativas” protagonizadas pelos setores abastados da cidade e até mesmo pela legislação que, implícita ou explicitamente, proibia que homens e mulheres negras ocupassem certas vagas.

As razões para esse “branqueamento” do mercado de trabalho, segundo o pesquisador, são as opções ideológicas das elites daquele período, em especial das oligarquias cafeeiras paulistas. “Por serem profundamente racistas, compreendiam que o crescimento e a modernização do país pressupunha o ‘branqueamento’ do seu povo. Os efeitos desse ‘branqueamento’ são econômicos, pois homens e mulheres negros ainda estão condenados aos trabalhos mais insalubres, mais mal remunerados e mal valorizados socialmente; são sociais, pois os descendentes de escravizados continuam marginalizados; são políticos, pois estão sub-representados nos espaços de poder; e são culturais, uma vez que a extraordinária contribuição cultural dos descendentes de africanos permanece desprezada, demonizada, criminalizada ou, na melhor das hipóteses, tratada como ‘folclore’”, lamenta Jacino.

Causos urbanos

Quem frequenta as palestras do escritor Ferréz conhece Bolonha, Mauro Maurício, Nêgo Jaime, Júnior, Dona Néia e Sebastião, heróis e anti-heróis que o autor criou para histórias curtas que apresenta em eventos e saraus realizados pelas periferias.

Agora, eles fazem parte do livro Os Ricos Também Morrem (Ed. Planeta, 192 págs.), um apanhado de causos urbanos do cotidiano rude das cidades. Com linguagem ágil, próxima à do rap, o principal nome da literatura marginal brasileira traz à tona sua crítica habitual: as injustiças e a desesperança moram ao lado e não do outro lado do Atlântico. R$ 30.

Sarau feminista

A Casa das Rosas, em São Paulo, sedia as duas últimas edições doSarau do PI: Literatura Feminina Contemporânea, com leitura de textos, shows musicais e apresentação do documentário Entre Saltos. A série de quatro eventos é promovida pelo Coletivo PI, grupo que realiza intervenções urbanas efêmeras utilizando nas suas criações a linguagem teatral, dança, performance e artes visuais com foco na cultura e no empoderamento feminino. O objetivo dos saraus é debater sobre questões ligadas à construção de gênero e dar visibilidade à produção de mulheres no campo das artes e da literatura. Dias 30 de maio e 20 de junho, às 21h30, na Avenida Paulista, 37. Grátis.

 

Semana do Brincar

De 24 a 30 de maio, várias cidades brasileiras recebem atividades que celebram a Semana Mundial do Brincar. “Para ter criatividade, resiliência e coragem é preciso brincar!” é o tema da sexta edição do evento, realizado pela Aliança pela Infância. As atividades pretendem reunir crianças de todas as idades, condições físicas e culturais para incentivar a prática do brincar de forma coletiva, em espaços públicos e privados. Além das atividades lúdicas, o evento deve promover rodas de conversa, palestras e mobilizações para fomentar reflexões sobre a importância de brincar na infância. Confira a programação completa em http://aliancapelainfancia.org.br

 

Descobrir: se liga

A exposição Se Liga – Arte, Ciência e Imaginação, em cartaz até 25 de maio no Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro, mistura conhecimento e diversão em um diálogo entre arte e ciência para crianças de todas as idades. Instalações, pinturas, fotografias, videoarte, colagens, conteúdo educativo e interativo compõem a mostra em que artistas brasileiros e estrangeiros apresentam as conexões entre essas duas facetas do conhecimento humano. A proposta é oferecer uma espécie de “laboratório divertido”, em que, por exemplo, matemática complementa história, poesia combina com física e o cinema é inspirado pela biologia. De quarta a segunda, das 9h às 21h, na Rua Primeiro de Março, 66, no 2º andar do CCBB, no centro do Rio, (21) 3808-2020. Grátis.

 

Sons de Lenine

O cantor e compositor recifense-carioca Lenine lançou no final de abril seu sexto disco solo de inéditas. Carbono traz 11 canções feitas com novos e antigos parceiros. Castanho, resultado de parceria com Carlos Posada, abre o disco com uma atmosfera interiorana, pantaneira e sertaneja, conduzida pela viola de Ricardo Vignini. O poema-canção À Meia Noite dos Tambores Silenciosos, de Lenine e Carlos Rennó, ganhou arranjos de Leitieres Leite & Orkestra Rumpilezz, com toques de maracatu, Ilu e Opanijé. Esta faixa homenageia uma cerimônia realizada nas segundas-feiras de carnaval em Recife, quando todas as nações de maracatu se encontram e celebram suas divindades ao som do mesmo toque. O álbum é uma reverência à música brasileira.

 

Para toda hora

Música para cantar no banho, para curtir a preguiça, curar saudade, superar um fora… Um grupo de amigos aficcionados por listas de música categorizava e trocava suas seleções musicais. Da brincadeira, nasceu o site Seis Músicas, em que criam playlists temáticas e compartilham em várias redes sociais. Os temas e as canções são bem ecléticos e, muitas vezes, divertidos. Em outubro de 2014, por exemplo, quando explodiu uma onda de preconceito contra os nordestinos, eles lançaram Seis Músicas Para Amar o Nordeste. A lista tinha Elba Ramalho cantando Leão do Norte, Alceu Valença gingando com a Morena Tropicana, Otto interpretando Filha e Maria Bethânia exigindo Não Mexe Comigo, enquanto Reginaldo Rossi fabulava A Raposa e as Uvas e Lenine pedia Paciência. Para ouvir, basta acessar www.seismusicas.com.br. Grátis.