viagem

Muito antes de Colombo

O Museu Chileno de Arte Pré-Colombiana, em Santiago, remete a civilizações que habitaram o continente até 5 mil anos atrás

paulo donizetti de souza
estatuas

Estátuas de madeira dos mapuches: guardando os corpos para que as almas descansem

Para os mapuches, nativos do sul do Chile, grandes estátuas em forma humana talhadas em madeira eram parte essencial dos funerais de seus familiares. Elas eram colocadas junto ao defunto, enquanto parentes e amigos recordavam em discursos as grandes realizações do homenageado. Ao final, a estátua gigante era posicionada como se fosse uma lápide. A morte é elemento de equilíbrio entre as forças que mandam no universo. E o ritual, bem executado, era a segurança de que o espírito do falecido viajaria direitinho, ao encontro de outras almas para, do além, olhar pelos vivos. Mas, se os familiares descuidassem do ritual, a alma do ente querido poderia ser capturada por algum bruxo no trajeto e virar um espírito do mal.

Essa cultura é relativamente recente, já que, estimam os estudiosos, acontecia apenas desde há 800 anos até o início do século passado, nos chamados Andes do Sul, uma das subdivisões da América pré-colombiana, onde civilizações genuinamente americanas já se sentiam em casa muito antes de o espanhol Cristóvão Colombo amarrar seu barco no continente, em 1492.

Centenas dessas culturas e civilizações têm parte de sua história ricamente organizada num dos mais importantes acervos artísticos do gênero no mundo, o Museu Chileno de Arte Pré-Colombiana (www.precolombino.cl). O museu – bem no centro de Santiago – guarda histórias de mais de 5 mil anos de povoamento da América. Setores da comunidade científica acreditam, inclusive, que o continente é habitado há cerca de 20 mil anos.

Mas nem tudo é tão mórbido nessa rica e longa história. Os espanhóis que ocuparam a região onde hoje fica o México foram os primeiros a descrever, muito antes do inglês Charles Miller batizar o futebol, um juego de pelota chamado ulamalixtli. Há mais de 2.500 anos, era uma atividade tradicional dos povos asteca, olmeca, veracruz, zapotecas, toltecas e maias. A arquitetura urbana dessas civilizações favorecia a proliferação de campos e praças perfeitos para a prática do esporte – que na verdade era um ritual lúdico por meio do qual comunidades resolviam conflitos políticos e bélicos e ainda agradavam os deuses encarregados de proteger suas plantações.

O acervo artístico-arqueológico permite supor que os jogadores usavam protetores nos olhos, cintura, “partes-baixas”, joelhos. E tinham de fazer uma pesada bola de cera passar por um aro situado no meio do campo. Só valia empurrá-la com os quadris ou braços. Dois times se enfrentavam e… aí acaba a parte esportiva da coisa: os perdedores iam para o sacrifício, condição exigida pelas forças celestiais para manter a fertilidade do solo. Ou seja, a decapitação dos perdedores era literalmente a salvação da lavoura.

paulo donizetti de souzarestauro
Escultura passa por restauro de especialista do museu

História e poesia

Permanecer horas num museu como o precolombino, de preferência solicitando a ajuda de monitores para entender todos os detalhes das obras, é uma das experiências mais fascinantes das visitas à capital do Chile. Do norte do México ao sul do Chile, passando pelas culturas do Caribe (as primeiras a serem dizimadas pelos espanhóis), América Central, Andes Central e até Amazônia, é possível conhecer como se organizavam as centenas de sociedades que habitavam o continente americano e como o processo de colonização foi devastador para essas culturas milenares.

Santiago tem ainda muitos outros museus, alguns nem tão preservados e quase nenhum deles nos roteiros de visitas das agências que atendem os turistas. Quem quer conhecer a riqueza cultural precisa garimpar, se organizar e aproveitar a ótima malha metroviária da cidade para andar para cima e para baixo.

Depois de um tour cultural, a atividade gastronômica vale ser apreciada, mas com moderação. Os tradicionais pescados, mariscos e cortes diferenciados de carnes costumam ter tempero forte. E preço salgado. Comer, aliás, é o que tem de mais caro por lá. Bom e barato, mesmo, são os vinhos – a propósito, são vários os vinhedos abertos ao público no entorno da cidade. Só é preciso cuidado para não exagerar.

Embriagar-se, mesmo, só de poesia. A casa de Pablo Neruda no bairro Bella Vista, um dos recantos boêmios da cidade, é uma viagem particular ao mundo do poeta. E uma das maneiras mais saborosas de lembrar a cidade que, nos anos 60, abrigou milhares de exilados brasileiros – até que sucumbisse ela própria à sua ditadura. Trauma do qual até hoje, ao que parece, os chilenos se esquivam de falar.