Home Revista do Brasil Destaques do mês que passou

Destaques do mês que passou

Leia textos que foram destaques no mês de fevereiro na Rede Brasil Atual
Publicado por Redação da RBA
16:52
Compartilhar:   

A vitória como resposta

No ato de comemoração de dez anos do PT à frente do governo federal, o ex- presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que a resposta do partido aos críticos será uma nova vitória de Dilma Rousseff em 2014. A declaração foi feita no mesmo dia em que o principal presidenciável tucano, o senador Aécio Neves (MG), listou na tribuna 13 “erros” do PT à frente do Executivo federal. Autor de um livro com artigos de 23 pensadores brasileiros, o sociólogo Emir Sader acredita que este é um momento de reflexão sobre avanços e desafios do projeto de governo iniciado em 2003. Para ele, é hora de “quebrar a hegemonia do capital financeiro que resiste aos impulsos de continuidade do desenvolvimento econômico do Brasil”.

Existe internet em São Paulo

No final de fevereiro, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, reuniu-se com os ministros Aloizio Mercadante, da Educação, e Paulo Bernardo, das Comunicações, para discutir a ampliação dos serviços de telefonia e internet no município. A ideia é que as operadoras melhorem a cobertura de acesso sem fio à internet e, em contrapartida, a administração municipal flexibilizaria as regras para instalação de antenas. “A prefeitura quer fazer uma troca legítima no interesse público: liberar a construção de infraestrutura pelas operadoras e reservar uma parte dessa infraestrutura para uso de políticas públicas”, disse Bernardo.


Liberdade, abre as asas

A Justiça de São Paulo manteve proibição ao blog Falha de São Paulo, sátira ao jornal Folha de S.Paulo, alegando uso comercial indevido. Para os irmãos Lino e Mario Bocchini, entretanto, a ação do jornal não tem nada a ver com questão comercial e fere o princípio da liberdade de expressão ao censurar o recurso ao humor como exercício da crítica. Pior, abre precedente preocupante. “Há uma tradição na manutenção ao que é mais favorável ao grande poder econômico”, lamentou Lino. Eles pretendem recorrer. 

Maus perdedores

Derrotadas nas urnas em 2002, 2006, 2010 e 2012, as forças políticas representadas pela mídia tradicional e pela oposição institucional estão “irritadas” e buscam outros meios para voltar ao poder. A análise é do jornalista Paulo Moreira Leite, que lançou livro em que aborda “o outro lado” do julgamento do chamado mensalão petista. “Eles desaprenderam. Como a oposição não encontra resposta no campo democrático, tudo é motivo para achincalhar o governo.”  

Preconceito x mercado 

Pesquisa do Data Popular, em parceria com a Central Única das Favelas (Cufa), mostra que os moradores das favelas brasileiras consomem aproximadamente R$ 56 bilhões por ano, o equivalente ao PIB da Bolívia. O poder de consumo triplicou em dez anos. Segundo o diretor do instituto,

Renato Meirelles, esse contingente de 12 milhões de habitantes “era um mercado invisível, e estava debaixo do nosso nariz, mas as pessoas só enxergavam a favela pela ótica da violência e do tráfico”.

Lições e dores da ditadura

Investigação da Comissão da Verdade de São Paulo lança suspeitas sobre a participação de empresários e do Consulado dos Estados Unidos em atividades da ditadura. Em livros que registram entrada e saída de funcionários do Dops (ao lado), há a assinatura de pessoas que se identificaram como representantes da Fiesp e em nome da representação diplomática, inclusive em horários pouco convencionais. Um dos documentos mostra o registro de ingresso de um membro do consulado minutos depois do capitão Enio, conhecido torturador. “A oposição à ditadura sempre disse que havia beneficiamento e ligação de empresários com a repressão. Queremos saber qual foi a participação deles”, afirmou o diretor do Núcleo de Preservação da Memória Política, Ivan Seixas. 

De braçada

Para o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Alberto Ercilio Broch, o setor de agronegócio “nada de braçada” no Brasil, mesmo com avanços na agricultura familiar. “O Estado brasileiro foi montado para o agronegócio, está calcado nesse modelo de desenvolvimento. Apesar das nossas conquistas, que não foram poucas”, diz o dirigente. A entidade, que completa 50 anos em dezembro – foi criada no governo João Goulart –, esperava 2.500 delegados para seu 11º congresso, neste início de março.