Fevereiro traz histórias do Rio, de São Paulo e do Egito

As baixarias dos trotes, o cinema de Fernando Meirelles, o elétrico Moraes Moreira e o Museu de Artes e Ofícios de BH também estão na edição 56 da Revista do Brasil

Em Petrópolis, a fábrica de móveis de Nádia ficou dois metros debaixo d’água. Em duas semanas foram tirados 60 caminhões de lama (Foto: Gianne Carvalho)

A reconstrução da região serrana do Rio de Janeiro é tema da capa da Revista do Brasil de fevereiro. A reportagem esteve em locais atingidos pelas chuvas e mostra o que municípios como Teresópolis, Petrópolis e Nova Iguaçu, seus desabrigados, agricultores e empresas fazem para se reerguer.

Quando a crueldade dos trotes universitário toma o lugar da festa. Para especialistas, o dia a dia violento, desprovido de limites e de valores de trabalho: acordos pioneiros são assinados entre 26 sindicatos de bancários e nove instituições financeiras, abrindo nova perspectiva de combate ao assédio moral.

O premiado Fernando Meirelles fala das produções que o projetaram mundialmente, como Cidade de Deus, O Jardineiro Fiel e Ensaio Sobre a Cegueira. E o futuro do cinema nacional na Mostra da histórica Tiradentes, que abre o ciclo de festivais de 2011.

No livro Sonhos Elétricos, o compositor Moraes Moreira, conta como o Carnaval baiano foi “ligado no 220” pelo trio de Armandinho, Dodô e Osmar. E em Belo Horizonte, o Museu de Artes e Ofícios guarda o talento e a técnica dos trabalhadores brasileiros ao longo da história.

A edição de fevereiro da Revista do Brasil está nas bancas. E você também pode fazer a sua assinatura.