Você está aqui: Página Inicial / Revista do Brasil / Edição 16 / Palmas para o grande traidor
Número 16, Setembro 2007

Ponto de Vista

Palmas para o grande traidor

O Estado nacional sofreu uma sucessão de golpes a partir da segunda metade do século 20. O ápice da agressão foi a chegada de FHC, que proclamou, arrogante, o seu fim
por Mauro Santayana publicado , última modificação 11/09/2017 10h53
O Estado nacional sofreu uma sucessão de golpes a partir da segunda metade do século 20. O ápice da agressão foi a chegada de FHC, que proclamou, arrogante, o seu fim
Marcello Casal Jr/ABr
fhc

Dois fatos de agosto chamaram a atenção do colunista. O primeiro é o processo contra parlamentares de quase todos os partidos, que se valeram de recursos de origem espúria, no episódio conhecido como “mensalão”. Quando redigíamos este texto, o STF começava a aceitar a denúncia contra a diretoria do Banco Rural. É um bom começo, tendo em vista os privilégios do sistema financeiro nacional. Espera-se que, seguindo esse fio, possamos chegar à punição dos que contribuíram para a remessa ilegal de recursos ao exterior, em caminhões fechados, pela fronteira de Foz do Iguaçu, usando o Banestado e outras instituições menores.

Como o principal responsável confessou em depoimento à CPI, a atividade ilícita foi autorizada por simples portaria do Banco Central, assinada pelo seu então presidente, Gustavo Franco. Com esse instrumento, os caminhões cheios de dinheiro, que atravessavam o Rio Paraná, não eram vistoriados na fronteira, nem pela Polícia Federal, nem pelos fiscais aduaneiros.

No dia em que houver bom senso em nosso país, o Banco Central estará sob as rédeas rigorosas do Executivo e do Parlamento. Tal como ocorre nos Estados Unidos, seus diretores terão de executar a política decidida pelo Estado – e não ditar ao Estado a política a ser seguida. Em nosso país, o Banco Central tem servido apenas para engrossar os lucros das instituições privadas, como mostram os balanços publicados. Espera-se que o processo aberto no STF vá além dos parlamentares do PT – que são o alvo preferencial da mídia – e, seguindo os passos de Marcos Valério, chegue aos tucanos que o inventaram e dele se serviram em primeira mão, durante o governo de Eduardo Azeredo, em Minas Gerais.

Agosto lembrou também o gesto de excepcional grandeza de Getúlio Vargas. Acossado pelos meios de comunicação, traído por parte das Forças Armadas e vítima do ódio de seus adversários, que, aliados dos Estados Unidos, não aceitavam o desenvolvimento soberano do Brasil, Vargas fez da morte a grande vitória, ainda que temporária, contra seus inimigos. Foi graças a seu gesto que Juscelino pôde eleger-se, assumir a Presidência e nos proporcionar o grande salto de desenvolvimento dos anos 50.

Vargas, não obstante ter governado ditatorialmente, foi o estadista que modernizou o Estado nacional, abriu caminho à ocupação do território, estabeleceu a infra-estrutura para o desenvolvimento industrial, com a Vale do Rio Doce, a Siderúrgica Nacional, a Petrobras e a Eletrobrás. E, ao criar as leis trabalhistas, começou a redimir o povo brasileiro da servidão às oligarquias, a que vinha sendo submetido desde os governadores gerais. O nacionalismo desenvolvimentista sofreu uma sucessão de golpes, sendo o ápice de sua decadência a chegada do sr. Fernando Henrique Cardoso, que proclamou, arrogante, ter-lhe dado fim no final do século 20.

Vale a pena ler a extensa matéria, assinada pelo sr. João Moreira Salles, publicada pela revista Piauí, na edição de agosto. Fernando Henrique Cardoso faz as mais estarrecedoras confissões de um ex-presidente da República. Reitera o seu deboche pelo povo brasileiro, que qualificou de “caipira” quando no poder, e ofende o nosso patriotismo, ao dizer que “no Brasil, parada de Sete de Setembro é uma palhaçada”.

O desdém absoluto vem no final de suas declarações a João Moreira Salles. Dona Ruth Cardoso, presente à entrevista, conta que, certa vez, em Buenos Aires, foram reconhecidos por um ônibus de turistas brasileiros, que desceram e passaram a fotografar o casal. “Deviam ser todos petistas, Fernando, e você não passava de uma atração turística”, comenta a ex-primeira dama. Segundo a matéria, FHC não se dá por vencido. “Em restaurantes de Buenos Aires eu sou aplaudido quando entro. É que eu traí os interesses da pátria, então eles lá me adoram.” Sem comentários.

Mauro Santayana trabalhou nos principais jornais brasileiros desde 1954. Foi colaborador de Tancredo Neves e adido cultural do Brasil em Roma nos anos 80. É colunista do Jornal do Brasil, do qual foi colunista na Europa (1968 a 1973) e articulista free lancer de diversas publicações

registrado em: , , ,