Tortura nunca mais

Lula, FHC, Maia e Ciro manifestam apoio a Dilma, após ataque de Bolsonaro

Para FHC, é “inaceitável” brincar com tortura. Lula disse que Brasil perde humanidade a cada fala de Bolsonaro

Lula Marques
Rodrigo Maia disse que Bolsonaro não tem "dimensão humana". Baleia Rossi citou "dignidade"

São Paulo – Políticos de diferentes partidos e posições no espectro político têm manifestado apoio à ex-presidenta Dilma Rousseff, alvo de ataque de Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (28). Ele foi filmado, durante conversa com apoiadores, em frente ao Palácio do Planalto, duvidando e debochando das ações de tortura perpetradas contra Dilma, que foi presa e torturada durante a ditadura civil-militar (1964-1985).

“Dizem que a Dilma foi torturada e fraturaram a mandíbula dela. Traz o raio-X para a gente ver o calo ósseo”, afirmou Bolsonaro, aos risos. Dilma rebateu, afirmando que o atual presidente “se comporta como um fascista” e tem “índole de torturador”.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), adversário histórico dos petistas, foi um dos primeiros a se manifestar em defesa da ex-presidente. Para ele, “brincar” com o episódio de tortura é “inaceitável”.

Na sequência, também na noite de ontem, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, antecessor de Dilma e seu padrinho político, disse que “o Brasil perde um pouco de sua humanidade a cada vez que Jair Bolsonaro abre a boca”.

O ex-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) disse nesta terça (29) que Bolsonaro ataca Dilma por ser “frouxo, corrupto e incapaz”.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também prestou apoio a Dilma. Segundo ele, Bolsonaro não tem “dimensão humana”.

De olho no apoio dos petistas, o deputado Baleia Rossi (MDB-SP), candidato do bloco de Maia para sucedê-lo na presidência da Câmara, também se manifestou e saiu em defesa da dignidade humana.

Pedido de impeachment

O deputado Rogério Correia (PT-MG) também se manifestou sobre o caso. Ele cobra da bancada de seu partido um pedido de impeachment de Jair Bolsonaro pelo crime de apologia à tortura. “Bolsonaro cometeu crime de apologia e cumplicidade com as torturas no regime militar ao dar gargalhadas e debochar da presidenta Dilma e de todos os mortos e presos durante a ditadura. É caso da bancada do PT solicitar impeachment do presidente”, postou o parlamentar.