Ataque virtual

Hackers invadem sistemas do STJ, Ministério da Saúde e Secretaria de Economia do DF

Outras entidades também relatam o ataque hacker. Aparentemente um vírus criptografou arquivos, o que impede acesso aos sistema

creative commons
"Estamos sem acesso à internet, linhas de telefone fixo e e-mails corporativos no Ministério da Saúde", afirma a assessoria do MS

São Paulo – O Superior Tribunal de Justiça, o Ministério da Saúde e a Secretaria de Economia do Governo do Distrito Federal foram alvos de ataques de hackers nesta quinta (5). Aparentemente provocado por um vírus, o ataque massivo contaminou servidores e travou (através de criptografia) o acesso dos funcionários aos arquivos gerais, como e-mails. Há relatos de problemas ainda em sistemas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), da Universidade de Brasília (UnB) e outras entidades.

“Estamos sem acesso à internet, linhas de telefone fixo e e-mails corporativos no Ministério da Saúde”, afirmou comunicado da assessoria da pasta. No STJ, o ataque levou à suspensão de diversos julgamentos. Entre eles, está um recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no âmbito do processo da Operação Lava Jato envolvendo o triplex do Guarujá.

“Por precaução, os prazos processuais seguem suspensos até a próxima segunda-feira (9). Todas as sessões de julgamento, virtuais e/ou por videoconferência, estão suspensas ou canceladas até restabelecida a segurança do tráfego de dados nos nossos sistemas”, disse o STJ em nota.

O cenário fica especialmente difícil, já que sessões do tribunal estão sendo realizados online em razão da pandemia de covid-19. Tanto o tribunal como o Ministério da Saúde informam que não há previsão de retorno dos sistemas e das atividades.

Ainda em nota, o tribunal informa que a Polícia Federal já foi acionada. Entretanto, o vírus pode ter imposto uma criptografia “impossível” de ser quebrada, o que acarretaria problemas ainda mais graves. “As diligências iniciais da investigação já foram adotadas, inclusive, com a participação de peritos da instituição. Eventuais fatos correlatos poderão ser apurados na mesma investigação, que está em andamento na Superintendência Regional da Polícia Federal no Distrito Federal”.