Sessão suspensa

STF forma maioria e decide manter prisão de André do Rap

Debate em torno do caso causou grande polêmica e trouxe de volta à discussão pública a prisão após condenação em segunda instância

Rosinei Coutinho/SCO/STF
Fux, presidente do STF, comanda sessão virtual que decidiu em favor da prisão do traficante, em julgamento que deve estimular debate sobre sistema penal do país

São Paulo – O Supremo Tribunal Federal já formou maioria de 6 a 0, nesta quarta-feira (14), a favor da manutenção da prisão do traficante André do Rap. Com o placar, o presidente da Corte, Luiz Fux, suspendeu a sessão, que será retomada nesta quinta. Já votaram pela prisão o próprio Fux, Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Dias Toffoli. A próxima a se manifestar será a ministra Cármen Lúcia.

O debate causou grande polêmica e trouxe de volta à discussão pública a prisão após condenação em segunda instância, suspensa pelo STF em novembro do ano passado. O voto de Barroso é significativo do apelo que setores do Judiciário, políticos e midiáticos têm feito pela possibilidade. “Este caso confirma minha convicção de que a decisão que impediu a prisão após condenação em segundo grau foi equívoco que o Legislativo precisa remediar”, disse o ministro, considerado um integrante lavajatista do tribunal.

“Só estamos julgando este caso porque um réu condenado em segundo  grau, em dois processos, a 25 anos de prisão, ainda é considerado por decisão do STF como inocente”, acrescentou. O voto foi no mesmo sentido da manifestação do ex-juiz Sergio Moro pelo Twitter. “O debate sobre a soltura do traficante deveria incentivar a votação de boas propostas no Congresso, como a que prevê a volta da prisão decorrente da condenação em segunda instância e a que propõe a revogação do parágrafo único do artigo 316 do CPP”, escreveu.

Polêmica

No sábado (10), o ministro Marco Aurélio Mello, relator do caso, determinou a soltura de André do Rap, com base no artigo 316 do Código de Processo Penal (CPP). O dispositivo – introduzido pelo Congresso no chamado pacote anticrime – prevê que o juiz poderá revogar a prisão preventiva e que a necessidade do encarceramento deve ser revisada a cada 90 dias, “sob pena de tornar a prisão ilegal”.

No mesmo sábado, também defensor da Lava Jato, Fux derrubou a liminar de Marco Aurélio. No voto desta quarta, o presidente do STF se manifestou mencionando “a periculosidade” de André do Rap para a segurança pública, “ante a gravidade concreta do crime: tráfico internacional de mais de quatro toneladas de cocaína em organização criminosa violenta”.

Em seu voto, o ministro Alexandre de Moraes citou o fato de o traficante ter sido preso em uma vida “nababesca” e disse que, com ele, foram encontrados um helicóptero de R$ 8 milhões, entre outros bens. De acordo com Moraes, o criminoso ligado ao PCC é associado à máfia calabresa, “uma das mais letais do mundo”.

PEC da segunda instância

Na semana passada, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou que, antes de terminar o mandato como presidente da Câmara (em dezembro),  deve colocar a “PEC da segunda instância em votação. “Essa aí eu me comprometi”, disse ao site o Antagonista na sexta-feira. “Pode ficar tranquilo que essa matéria vai a voto”, prometeu.

Se quiser votar a PEC, Maia terá de enfrentar a oposição de setores importantes na Câmara ao texto. Muitos deputados estão sob investigação, principalmente do Centrão. Para ser aprovada uma PEC precisa de 308 votos dos 513 parlamentares da Casa.

Assista: MP e primeira instância falharam

Episódio sugere análise do sistema carcerário


Leia também


Últimas notícias