Contradição

Lula: não adianta criar Renda Brasil e não aumentar o salário mínimo

Em entrevista a rádio mineira, ex-presidente destacou a valorização de 73% no piso nacional durante os governos do PT. Sobre os processos da Lava Jato, disse que está muito tranquilo. “A verdade vai prevalecer”

Reprodução
"Espero que ainda nesse ano eu possa sair viajando pelo Brasil", disse Lula

São Paulo – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje (2) que Jair Bolsonaro está “destruindo” todas as políticas sociais criadas nos governos do PT para colocar outras no lugar. Ele destacou a importância de que as políticas destinadas ao povo sejam “perenes”, e atacou a proposta do governo para o orçamento de 2021, que corrige o salário mínimo apenas pela inflação, sem ganho real.

“Ao mesmo tempo em que ele fala que vai fazer o Renda Brasil, estamos há dois anos sem aumento do salário mínimo. E o orçamento que ele mandou não tem aumento do salário mínimo para o próximo ano”, disse Lula nesta quarta-feira (2). Com a política de valorização implementada nos governos do PT, o salário mínimo teve valorização de 74%, desde 2004.

Em entrevista à Rádio Itatiaia, de Minas Gerais, Lula destacou que o Bolsa Família é um “programa completo”, porque inclui “condicionantes”. Para acessar o benefício, as famílias devem comprovar a frequência das crianças na escola, e se elas estão com a carteira de vacinação em dia.

Lava Jato

Nesta terça-feira (1º), Lula obteve mais uma vitória na Justiça, que determinou o trancamento de uma ação penal contra ele na Operação Janus, desdobramento da Lava Jato em Brasília. O ex-presidente afirmou que está “muito tranquilo” em relação aos processos movidos contra ele. Segundo Lula, “a verdade vai prevalecer”.

“Aos poucos, vamos provando que eles me condenaram apenas com o intuito de me tirar da campanha de 2018. Estou mais tranquilo do que eles. Dallagnol e Moro devem tomar tarja preta toda noite, porque eles sabem que enganaram o Brasil”, disse Lula.

Ele voltou a chama Sergio Moro, ex-juiz da Lava Jato, de “mentiroso”. Já em relação ao procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa em Curitiba, Lula afirmou que, além de “falso e mentiroso”, estava criando “quase que uma quadrilha” no Ministério Público Federal (MPF).

Pós-pandemia

O ex-presidente afirmou que, até a chegada de uma vacina com eficácia comprovada, não é possível prever quando a vida voltará ao normal no Brasil. Assim que possível, espera poder voltar a viajar pelo país para visitar, por exemplo, o Vale do Jequitinhonha, no norte de Minas Gerais.

Perguntado se será candidato nas eleições de 2022, Lula disse que não é é hora de discutir esse tema enquanto a “crise sanitária” não tiver sido superada. Depois disso, “é importante pensar na economia”, ressaltou.

Ele voltou a lembrar que a proposta inicial do governo Bolsonaro para o auxílio emergencial era de apenas R$ 200. A bancada do PT chegou a propor um salário mínimo, mas o resultado final ficou em R$ 600. Lula criticou, implicitamente, o corte pela metade no valor dos benefícios nas parcelas até o fim do ano. “Além de decidir dar o aumento, é importante que você cumpra.” Ademais, o ex-presidente voltou a cobrar políticas de crédito para os micro e pequenos empresários que tiveram seus negócios atingidos pela pandemia.

Assista à entrevista:


Leia também


Últimas notícias