Anonymous BR

Empresa do clã Bolsonaro conta com sites e disparo de mensagens em massa

Entre os vazamentos publicadas por grupo hacktivista constam dados da empresa criada por Bolsonaro e seus filhos em 2017. À época, família justificou que queria monetizar vídeos no Youtube com a Bolsonaro Digital

Wilson Dias/EBC
Anonymous fala, no entanto, em empresa com alcance de 300 sites e domínios ilimitados com 150 caixas postais

São Paulo – Entre os dados pessoais da família do presidente Jair Bolsonaro e de seus ministros e aliados vazados pelo Anonymous BR, o grupo hacktivista publicou informações da empresa Bolsonaro Digital. Segundo dados do Anonymous, a empresa conta hoje com um alcance de 300 sites e domínios ilimitados com 150 caixas postais. Além de ter capacidade de disparo de 500 mil mensagens por mês. As informações são do jornalista Bob Fernandes, divulgadas em seu canal no YouTube

Criada em 2017, a Bolsonaro Digital Ltda. de Marketing Direto foi registrada como “microempresa”, com capital social de R$ 1.000. Pelos registros, a companhia pode exercer atividades de marketing e mala direta, além de edição de livro. Na empresa, constam como sócios a ex-mulher do presidente da República, Rogéria Nantes B. Bolsonaro, e seus filhos Flávio, Carlos e Eduardo, além do próprio Bolsonaro. 

De acordo com Bob Fernandes, o cadastro oficial de consultas públicas da Receita Federal confirma os registros iniciais que o grupo hacktivista atribui à família.

Empresa era para monetizar vídeos no YouTube

Em fevereiro de 2018, quando Bolsonaro ainda buscava criar espaço para se candidatar à Presidência, o site BuzzFeed News Brasil, procurou pelo clã para questionar sobre a criação da empresa. Na época, o então deputado federal disse que não tinha detalhes e que havia emprestado sua assinatura e feito uma procuração para que o filho criasse a Bolsonaro Digital. “Meu filho deu essa ideia no passado e eu falei que não tinha tempo”, alegou.

Quem respondeu à reportagem foi o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), então deputado estadual no Rio pelo PSC. Segundo ele, a empresa havia sido criada para monetizar vídeos no YouTube, aproveitando do sucesso de Bolsonaro na internet. Apesar disso, meses após ser criada, o BuzzFeed apurou que as citações à empresa “eram pífias”. 

Hoje, o clã é investigado em inquérito que apura o uso das redes sociais no disparo de mensagens em massa para favorecer a campanha presidencial de Bolsonaro.