"Momento oportuno"

Moro presta depoimento à PF neste sábado sobre acusações contra Bolsonaro

Ex-ministro deve mostrar as provas que diz ter sobre interferência direta do presidente no comando da PF, como forma de proteger um dos filhos de possível processo

Marcos Corrêa/PR
Ex-juiz da Lava, Sergio Moro vai depor na PF para explicar motivações para ter deixado o governo Bolsonaro

São Paulo – O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, vai prestar depoimento neste sábado, à Polícia Federal e à Procuradoria-Geral da República em Curitiba (PR), onde voltou a morar, após deixar o governo de Jair Bolsonaro. A expectativa é de que Moro apresente provas sobre a interferência de Bolsonaro na indicação do delegado Alexandre Ramagem para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal (PF), conforme relatou em seu discurso de desligamento do cargo.

A oitiva foi marcada após o ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), dar prazo de cinco dias para a corporação ouvir o ex-ministro, deve ocorrer entre as 11 horas e 14 horas.

Nesta sexta-feira (1º), o ministro deferiu pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, e designou três procuradores indicados pela PGR para acompanhar o depoimento do ex-ministro da Justiça.

Segundo a revista Veja, Moro afirmou que entregaria provas de acusações de interferência política direta de Bolsonaro na Polícia Federal ‘em momento oportuno’. Ele deixou o ministério na sexta-feira (24) fazendo acusações diretas ao presidente.

Ramagem, o indicado pelo presidente, foi chefe da segurança de Bolsonaro após ele ter sido eleito. A proximidade com a família o fez amigo de Carlos Bolsonaro, o filho Zero Três, investigado pela PF por suspeita de articular esquema de disseminação em massa de informações falsas.

A nomeação de Ramagem para o cargo foi suspensa pelo também ministro do STF Alexandre de Moraes, sob o argumento de que a indicação não observava os princípios da impessoalidade e da moralidade pública.


Leia também


Últimas notícias