Vexame mundial

Bolsonaro está levando o Brasil ao desastre, alerta imprensa internacional

Desde a divulgação do vídeo da reunião ministerial, na última sexta (22), a mídia estrangeira, inclusive a mais conservadora, não tem poupado críticas

Reprodução
Bolsonaro foi xingado de "assassino" enquanto comia seu cachorro quente neste sábado

São Paulo – O populismo de Jair Bolsonaro “está levando o Brasil ao desastre”, afirma o articulista do inglês Financial Times Gideon Rachman na edição desta segunda-feira (25). Em extenso artigo, o mais importante jornal de economia do mundo – e que não é de esquerda, como prefere dizer o mandatário brasileiro – mostra que o Brasil já está pagando um alto preço pelas atitudes grotescas do presidente em relação à covid-19 e que a “maquiagem social e econômica significa que o país será duramente atingida à medida que a pandemia se acelera”.


O populismo de Jair Bolsonaro está levando o Brasil ao desastre – Se a vida fosse uma lição de moral, as atitudes grotescas em relação à covid-19 virariam os brasileiros contra o presidente populista

O britânico The Guardian, que tem dado destaque (negativo) quase que diário para Bolsonaro, hoje abordou medida do presidente dos Estados Unidos Donald Trump, de barrar estrangeiros que tenham passado pelo Brasil nos últimos 14 dias. A medida, anunciada ontem, vinha sendo estudada desde o final de abril. Passa a valer a partir das 23h59, horário de Nova York, da próxima quinta-feira (28).

“Eu não quero pessoas entrando e infectando nosso povo”, afirmou Trump na terça-feira, quando o Brasil ultrapassou a marca de mil mortes diárias pela covid-19. Publicamente, o presidente diz que é amigo de Bolsonaro.

O homem que quebrou o Brasil

Ontem (24), o TAMBÉM britânico The Telegraph destacou que, enquanto Bolsonaro insiste em negar a covid-19, os casos disparam. E mais: Entre a implosão política e um vírus fora de controle, o presidente enfrenta a perspectiva de se tornar conhecido como “o homem que quebrou o Brasil”.

A reportagem destacou o fato de em apenas dois meses, a “gripezinha” ter infectado mais de 340 mil pessoas, ter matado ao menos 20 mil brasileiros e, nos últimos dias, o número de mortes ser superior a mil.

E de que Bolsonaro tem outras preocupações, já que está sob investigação pelo Supremo Tribunal Federal e pode até perder o cargo se for provada a acusação de que ele tenta interferir de maneira ilegal na Polícia Federal brasileira.

Ainda neste domingo, o The Guardian noticiou o passeio de Bolsonaro para comer cachorro-quente (no sábado anterior) enquanto causava aglomeração e pegava criança no colo sob os gritos de “assassino”, por populares mais afastados. A longa reportagem, que destaca vídeo do passeio por Brasília compartilhada no Twitter, traz números da pandemia no país e uma entrevista com o pastor Antonio Carlos Costa, do Rio de Janeiro. “O comportamento dele é surreal. As pessoas estão morrendo em hospitais lotados. Ele não se arrepende.”

Show de horrores

O The Guardian de sábado destacou o “show de horrores” que foi o teor da reunião ministerial de 22 de abril. Com a manchete “‘Show de horror’: críticos esperam que o crime de Bolsonaro possa acabar com o governo’, o jornal destacou as 34 vezes que o presidente proferiu palavrões durante a encontro da alta cúpula do Executivo e afirmou que o vídeo pintou um retrato miserável do governo de extrema-direita que alguns acreditam estar com tempo contado.