crime virtual

Família de Marisa Letícia processa Eduardo Bolsonaro e Regina Duarte por ‘fake news’

Deputado e secretária da Cultura divulgaram informações falsas sobre o patrimônio da ex-primeira-dama em redes sociais

Arquivo ABr
Marisa Letícia foi, mais uma vez, vítima de mentiras falsas espalhadas de dentro do governo Bolsonaro

São Paulo – A família de Marisa Letícia Lula da Silva, morta em 2017, está processando o deputado federal Eduardo Bolsonaro (sem partido-SP) e a secretária nacional de Cultura, Regina Duarte, por informações falsas sobre a ex-primeira-dama publicadas por ambos em seus perfis nas redes sociais. Com base em erro de digitação do juiz responsável pelo inventário de Marisa, Bolsonaro e Regina divulgaram na internet – sem preocupação em checar a veracidade da informação, e com grande alcance e repercussão – a fake news de que dona Marisa possuiria uma fortuna em aplicações, um patrimônio de R$ 256 milhões, quando o valor correto era de cerca de R$ 26 mil. As publicações também sugeriam claramente que o valor seria resultado de atos ilícitos.

Mesmo depois de o próprio juiz reconhecer o erro, nem deputado nem secretária apagaram as postagens ou se retrataram. Para os herdeiros da ex-primeira-dama, as manifestações públicas “macularam publicamente a memória de dona Marisa Letícia Lula da Silva” e são uma “clara tentativa de subverter essa imagem da falecida D. Marisa”.

A família pede reparação de R$ 131.408,70 de cada. O valor equivale a cinco vezes o que Marisa realmente tinha em CDBs e 2 mil vezes menos do que o valor falsamente divulgado por Regina Duarte e Eduardo Bolsonaro, de acordo com a defesa.

A ação também pede que ambos sejam condenados a publicar em suas redes sociais a sentença condenatória com o valor correto do investimento de Marisa Letícia, corrigindo a desinformação propagada por eles.