Autoridade no assunto

Lula em Paris: reduzir a desigualdade exige mexer no coração da riqueza

Ex-presidente Lula foi convidado pelo economista Thomas Piketty para falar sobre a experiência brasileira que retirou milhões de pessoas da pobreza

Ricardo Stuckert
Thomas Piketty disse que o encontro é a primeira de uma série de colaborações sobre o desafio de se reduzir a desigualdade no mundo

São Paulo – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou hoje (3), na Escola de Economia de Paris, sobre a experiência brasileira de combate à miséria. Lula foi convidado pelo economista Thomas Piketty, autor do livro O Capital no Século 21. Piketty coordena um laboratório de estudos sobre a desigualdade no mundo. O encontro, avisou o economista, deve ser o primeiro ato de uma importante colaboração sobre o desafio de se reduzir a desigualdade no mundo. “Foi muito interessante. Vamos tentar ir ao Brasil com nossa equipe para aprofundar esse debate”, disse Piketty.

Dados do extinto Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) mostram que a proporção de pobres no Brasil caiu de 23,4% em 2002, para 7% em 2014. Isso significa que 26,3 milhões de pessoas deixaram de viver abaixo da linha de pobreza. Em 12 anos, o número de pobres caiu de 40,5 milhões para 14,2 milhões.

“Quero agradecer a oportunidade de fazer o debate de uma coisa que me é muito cara”, disse o ex-presidente no encontro que reuniu, em Paris, pesquisadores da desigualdade de todo o mundo. “Nós temos que expor a desigualdade como um problema político, uma questão de dignidade humana. Não haverá diminuição da desigualdade se a gente não mexer no coração da riqueza”, avaliou.

Elite escravocrata

Durante os governos Lula e Dilma Rousseff – a ex-presidenta também integra a comitiva na França – foram retiradas 36 milhões de pessoas da miséria e 42 milhões alçadas à classe média.

Lula destacou o papel da elite brasileira nessa situação aviltante que voltou a reinar no Brasil após o golpe de 2016.  “É muito difícil compreender o Brasil se não levar em conta os 350 anos de escravidão. Somos uma sociedade escravagista, embora a escravidão formalmente tenha sido extinta. Ela existe na economia brasileira. Existe no patrimonialismo. A elite brasileira nunca efetivamente se deu conta da necessidade de elevar a qualidade de vida dos mais pobres”, expôs.

Programas sociais

O ex-presidente fez uma exposição dos programas sociais que foram a base dos governos petistas com objetivo de combater a pobreza e reduzir a desigualdade, como o Bolsa Família, o Luz Para Todos, o ProUni. E lembrou como essas medidas mesmo incentivando a economia, geraram incômodo em setores da elite brasileira.

“Fazer transferência de renda foi uma decisão contra tudo e contra todos. Contra os chamados especialistas. Quando tomamos a decisão de criar o Programa Fome Zero, muita gente no Brasil escrevia que era melhor investir em estradas, em infraestrutra. Meu argumento era: o povo não come cimento. O povo come feijão e arroz e é disso que ele está precisando agora.”

Sobre como reduzir a desigualdade que se agrava cada vez mais, Lula foi enfático. “Não existe explicação humanitária para um cidadão ter 100 bilhões de dólares na sua conta e 100 milhões de pessoas não terem o que comer. Não sei quanto tempo vou viver. Mas se eu puder quero ajudar a criar indignação com a concentração de renda no mundo.”

Lula na Europa

Na tarde desta terça-feira, Lula participou, ainda do Festival Lula Livre, no Teatro du Soleil, em Paris. O evento, com lotação esgotada há dias, foi promovido por uma série de entidades internacionais como os comitês Lula Livre.

Lula iniciou seus compromissos na França no domingo (1º), reunindo-se com políticos como deputado francês Eric Coquerel e o líder do grupo França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon, que visitou Lula em Curitiba quando o ex-presidente estava preso na sede da Polícia Federal.

A agenda do ex-presidente seguirá por outros países europeus. Em visita a Genebra, no dia 6, Lula se encontrará com representantes do Conselho Mundial das Igrejas (CMI), que congrega mais de 340 igrejas em mais de 120 países. Na pauta, o ex-presidente deve voltar a falar da desigualdade social, tema central também do encontro com o Papa Francisco, no Vaticano. Ainda na Suíça, o ex-presidente participa de encontro com representantes de sindicatos globais.

Já em Berlim, na Alemanha, o petista se reunirá com lideranças políticas e com representantes do movimento sindical alemão. No dia 9, participa de encontro em defesa da democracia no Brasil, em ato público com representantes dos comitês internacionais Lula Livre.


Leia também


Últimas notícias