gabinete do ódio

Flávio e Eduardo Bolsonaro criaram grupos de WhattsApp com mentiras contra jornalista

Máquina de ódio funcionou contra a jornalista Patricia Campos Mello, segundo reportagem do Intercept, depois de depoimento de empresário na CPMI das Fake News

reprodução/twitter
Flávio e Eduardo Bolsonaro criaram os grupos de fake news que lideraram a disseminação de mentiras contra a jornalista Patrícia Campos Mello

The Intercept Brasil – Eu acompanho grupos bolsonaristas no WhatsApp desde 2018. Já contei que, após a eleição, eles se tornaram mais radicais. Nesta semana, vi essa máquina de ódio funcionando a pleno vapor contra a jornalista Patricia Campos Mello, atacada após o depoimento do empresário Hans River na CPMI das Fake News. Alguns desses grupos, que trabalharam incansavelmente na distribuição de memes e ataques, têm dois donos bem conhecidos: Flávio e Eduardo Bolsonaro. Sim, senador e o deputado federal filhos do presidente da república.

Os números dos celulares ligados aos dois administram pelo menos 20 dos grupos que eu monitoro. Juntos, eles permitem a distribuição de conteúdo de extrema direita para pelo menos 5 mil pessoas – são 250 em cada grupo. Nesta semana, circularam por lá memes misóginos e montagens que insinuam que a jornalista estaria se prostituindo para conseguir informações – desdobramentos da narrativa plantada na CPMI.

Patrícia Campos Mello foi atacada pela máquina de mentiras porque publicou, na época das eleições, uma reportagem que revelou que empresas foram contratadas de forma ilegal para fazer disparos em massa no WhatsApp. Nesta semana, Hans River, funcionário de uma dessas empresas, falou na CPMI que Mello teria oferecido sexo em troca de informações, o que foi desmentido pela jornalista com inúmeros prints da conversa.

Mas, na lógica da produção de narrativas bolsonaristas, a verdade não importou. River falou o que quis na CPMI, e o depoimento dele foi repercutido por influenciadores de Bolsonaro – o próprio Eduardo, o blogueiro Allan Terça Livre e a ex-feminista Sara Winter, por exemplo, chancelaram a narrativa mentirosa. Imediatamente, uma produção frenética de memes, trechos do editados do vídeo de River e montagens com Mello começaram a pipocar nos grupos, com a anuência dos admins com cargo público.

O envolvimento de Flávio e Eduardo

Durante a campanha, Flávio e Eduardo Bolsonaro, conhecidos como 01 e 03 do presidente, estavam ocupados não apenas cuidando de suas próprias campanhas para a Câmara e o Senado, mas também tentando promover a campanha presidencial de seu pai. Eduardo compartilhava constantemente um número de telefone onde qualquer pessoa podia entrar em contato para apenas “Dar um Alô”, conforme detalhado em um de seus vídeos no Facebook.

O mesmo número de telefone era administrador de 11 grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp que analisamos. Salvamos o número como “Assessoria Eduardo Bolsonaro” para nos ajudar a identificar esse contato nos grupos, e também descobrimos que a conta do WhatsApp de Eduardo também criou esses grupos.

Já Flávio Bolsonaro divulgou seu telefone em um tuíte, onde reclamou que o WhatsApp havia banido sua conta devido a atividades suspeitas:


O número de telefone de Flavio Bolsonaro também foi encontrado em nove grupos pró-Bolsonaro do WhatsApp como criador e como um dos administradores de grupos.

Por mais que Eduardo e Flávio Bolsonaro se comportassem de maneira muito discreta, sem postar conteúdo e nem participar de conversas, eles permitiram que notícias falsas fossem amplamente compartilhadas e difundidas dentro de seus grupos.

No total, dos 70 grupos analisados, Eduardo administrou pelo menos 11. Flávio cuidava de nove. Eles contavam com um conjunto de pessoas que tinham papéis específicos na curadoria de conteúdo, no compartilhamento de desinformação e na inclusão e remoção nos grupos.

Força-tarefa nacional e internacional

Começamos a monitorar grupos bolsonaristas no WhatsApp em março de de 2018. Aquele pleito eleitoral ficou conhecido pela desinformação generalizada que tomou contas nas mídias sociais, especialmente no zap – e ela favorecia principalmente o então candidato da extrema direita, Jair Bolsonaro.

Vimos de perto como os grupos pró-Bolsonaro se tornaram um ecossistema sofisticado que dava aos usuários funções específicas: produzir, compartilhar e consumir informações erradas, bem como recrutar novos membros do grupo. Embora muitos desses grupos tenham sido criados organicamente por voluntários que realmente apoiaram Bolsonaro, descobrimos mais tarde que algumas pessoas receberam dinheiro – entre R$ 400 e R$ 600 por semana – para gerenciá-los.

Embora ainda não se saiba quem exatamente estava pagando por esses serviços ou de onde vinha o dinheiro, relatos apontam que membros da equipe de Bolsonaro enviaram notícias falsas e mensagens em massa pelo WhatsApp. Descobrimos que os criadores e administradores de alguns dos principais grupos eram os números das campanhas de Eduardo e Flávio Bolsonaro e que até contas da Índia, Paquistão e Iêmen ajudaram a espalhar notícias falsas e conteúdo extremista.

Também observamos que a rede de distribuição no WhatsApp agia de maneira coordenada, com membros trabalhando em diferentes funções para manter o grupo funcionando. Identificamos os membros da equipe que tinham as seguintes funções: admin, que era o criador do grupo; moderador, responsável por manter o tom pró-Bolsonaro e remover membros opostos; distribuidor, responsável por distribuir mentiras a grupos (vídeos, textos, áudios e links).

A Equipe da Força-Tarefa não foi o único grupo de membros que ajudou a espalhar fake news nesses grupos. Também encontramos membros que tinham contas com números estrangeiros, especialmente da Índia, Paquistão e Iêmen. Esses membros estrangeiros não interagiram nos chats do grupo; em vez disso, entravam em contato com os membros do grupo individualmente por meio de chats particulares, onde compartilhavam conteúdo de desinformação e pró-Bolsonaro.

Essas novas descobertas fornecem mais evidências do envolvimento do clã Bolsonaro nas práticas de desinformação que varreram o Brasil durante as eleições de 2018. Agora que essas contas e funções foram identificadas, surgem mais perguntas: quem eram as pessoas por trás desses números? Quem pagou por essas contas estrangeiras para participar desses grupos? Quem os adicionou a esses grupos? Podemos não ser capazes de responder a essas perguntas, mas elas certamente podem servir como novas pistas para a investigação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito.