Home Política Witzel usa polícia para intimidar jornalista Luis Nassif
ataque à liberdade de imprensa

Witzel usa polícia para intimidar jornalista Luis Nassif

Editor do Jornal GGN recebeu intimação para explicar às autoridades policiais o fato de ter chamado governador de "genocida"
Publicado por Gabriel Valery, da RBA
15:17
Compartilhar:   
reprodução

Witzel desceu do helicóptero próximo à cena do crime dando pulos de alegria pela morte de uma pessoa

São Paulo – O jornalista Luis Nassif, editor do Jornal GGN, denunciou ter sofrido uma tentativa de intimidação da parte do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC). Ele recebeu, em sua casa, em São Paulo, intimação da Delegacia de Investigações Interestaduais (Polinter). O pedido veio da Polícia Civil do Rio e pede que Nassif dê explicações às autoridades policiais por ter chamado a política de Witzel de “genocida”.

“Ontem (7) abri a porta e tinham dois policiais civis; um deles com uma arma ostentando na cintura. Tivemos um bate boca inicial do porquê daquela coisa ostensiva”, relata o jornalista em vídeo. “Hoje, liguei, fui muito educadamente atendido na delegacia, e me informaram que é uma intimação para que eu explique sobre um vídeo que coloquei no YouTube, com um comentário, chamando Witzel de genocida”, acrescenta.

Nassif publicou vídeo hoje para explicar a situação e adiantou seu argumento sobre a fala que provocou a intimação. “Genocida é o sujeito que é responsável pela proliferação de mortes indistintamente. Esse é o conceito. Peço desculpas ao governador Witzel se ele se sentiu ofendido sendo tachado de genocida, mas tem um jeito simples de resolver essa situação: ele deixar de ser genocida”, disse.

A política de Witzel incentiva ações policiais com o uso indiscriminado da violência, o que já resultou em mortes de diversas crianças no estado, como a da jovem Ághata, de 8 anos, morta em agosto com um tiro de fuzil. A face da violência estatal também foi exposta na reação do mandatário em uma operação na qual um sequestrador foi morto por um agente policial. O governador desceu do helicóptero próximo à cena do crime dando pulos de alegria pela morte de uma pessoa.

“Ele assumiu o Rio, estimulou a polícia a sair matando. Foi alertado por muitos setores, especialistas, jornalistas, que isso iria estimular uma matança indiscriminada”, disse Nassif. “A polícia tem autorização para matar. Ele já disse que vai dar todo o apoio para policiais que matarem. Nenhum respeito à vida ao marginal, já que não temos pena de morte, e nem dos inocentes. Vimos muitas pessoas sendo mortas e, a partir de um certo momento, crianças. Tem uma relação infindável de crianças sendo mortas. Semanalmente temos esse espetáculo de terror”, completou.


Assista ao comentário completo do jornalista Luis Nassif: