Home Política Lula: ‘Não fomos nós que elegemos candidato que tem ojeriza à democracia’
Resposta

Lula: ‘Não fomos nós que elegemos candidato que tem ojeriza à democracia’

Ex-presidente e políticos de esquerda rebatem o ministro Paulo Guedes, que disse para os brasileiros "não se assustarem se alguém pedir o AI-5"
Publicado por Tiago Pereira, da RBA
12:37
Compartilhar:   
Instituto Lula

"O PT nasceu lutando pela liberdade e governou democraticamente", afirmou o ex-presidente

São Paulo – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva rebateu nesta terça-feira (26) as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, que fez ameaças veladas sobre a decretação de um novo AI-5 caso ocorram protestos contra medidas econômicas do governo, como vem ocorrendo em diversos países da América Latina. Pelo Twitter, Lula afirmou que o PT é o partido mais identificado com a democracia no Brasil.

Durante entrevista coletiva em Washington, nos Estados Unidos, Guedes disse que “era uma insanidade” Lula  pedir ao povo para sair às ruas, em referência ao discurso, realizado em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, um dia depois de sair da prisão, em que o ex-presidente convoca a população a se mobilizar para enfrentar os ataques do governo Bolsonaro contra direitos sociais e trabalhistas. O ministro cobrou “responsabilidade” com a democracia, mas terminou endossando ameaça que já havia sido feita pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

“Sejam responsáveis, pratiquem a democracia. Ou democracia é só quando o seu lado ganha? Quando o outro lado ganha, com 10 meses você já chama todo mundo para quebrar a rua? Que responsabilidade é essa? Não se assustem então se alguém pedir o AI-5. Já não aconteceu uma vez? Ou foi diferente? Levando o povo para a rua para quebrar tudo. Isso é estúpido, é burro, não está à altura da nossa tradição democrática”, afirmou o ministro, na capital dos Estados Unidos.

Editado em 13 de dezembro de 1968, pelo presidente militar Artur da Costa e Silva, o Ato Institucional 5, que marca o início da fase mais sombria da ditadura civil-militar (1964-1985), resultou no fechamento do Congresso, na cassação de mandatos de parlamentares, suspensão das liberdades individuais e censura aos meios de comunicação e às artes.

Reações

Além de Lula, as declarações de Guedes produziram reações de diversos políticos da esquerda. A presidenta do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), disse que, para o governo, “o povo tem que sofrer calado”. Também alertou que esse tipo de ameaça “prepara o uso da violência contra movimentos sociais ao dar declarações desse tipo”. Para o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, candidato do PT à presidência nas últimas eleições, trata-se de “um governo covarde, sob todos os aspectos”. Segundo o deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ), as ameaças de um novo AI-5 “não são bravatas”. Ele citou projeto enviado ao Congresso Nacional que estabelece excludente de ilicitude para operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) que, segundo o próprio presidente Bolsonaro, serviria para inibir protestos. “O governo está com medo e apela à violência e ataques à democracia”, disse Freixo, também pelo Twitter. 

Ex-presidenciável do Psol, o líder do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST) Guilherme Boulos lembrou a reação de Guedes com economistas liberais chilenos que atuaram no governo durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). A deputada federal Jandira Feghali disse que Guedes “desconhece o valor da democracia”. Já o deputado Zeca Dirceu propôs a criação de uma “frente parlamentar democrática contra o AI-5”.

Quando o seu filho fez a defesa desse instrumento, no mês passado, o presidente afirmou que quem falasse em AI-5 estaria “sonhando”. No entanto, no passado, ele saudou a medida. Em 2008, quando era deputado, ele “louvou” o AI-5 por ter colocado “freios naqueles da esquerda”. Agora, Eduardo Bolsonaro vai responder no Conselho de Ética da Câmara pelas declarações antidemocráticas e poderá ser punido com advertência, suspensão ou até a cassação do mandato.