Home Política STF conclui decisão que pode anular condenações por erros da Lava Jato
Direito de defesa

STF conclui decisão que pode anular condenações por erros da Lava Jato

Entendimento consolidado, de que réu tem direito a defesa após ser alvo de delação, afeta processo de Lula; e dezenas de condenações da Lava Jato
Publicado por Eduardo Maretti, da RBA
18:03
Compartilhar:   
STF

“Não é de pouca coisa que estamos falando, é do maior direito de todos, a liberdade", disse Toffoli no voto

São Paulo – “O delatado é inocente ou é um culpado que não quis ser colaborador. O delator não é um acusado qualquer, mas faz acordo em sigilo com o Estado acusador.” A frase resume o voto do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, a favor dos réus alvos de delação premiada, no julgamento do (HC) 166.373. O entendimento da Corte definiu que o réu delatado tem direito constitucional de falar depois do delator em ações penais. O ministro Marco Aurélio Mello votou contra o HC. Os ministros discutem agora qual orientação será tirada do julgamento.

• Toffoli adia decisão sobre alcance da tese que assegura defesa final ao réu

A decisão do Supremo poder ter, como consequência, a anulação de dezenas de julgamentos da Lava Jato, incluindo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A conclusão já teria impacto ao menos no processo do sítio de Atibaia – caso em que a defesa do ex-presidente requereu ainda na primeira instância se pronunciar após Lula ter sido alvo de delator.

Há opiniões em discussão, porém, de que independentemente de um réu ter requerido, a não observância dessa prerrogativa constitucional seria uma violação ao direito de defesa que deveria ter sido observado pelo juízo, como ocorreu no caso do tríplex, responsável pela prisão do ex-presidente, e em dezenas de outros processos da Lava Jato.

É justamente o alcance e as possibilidades em que essa decisão se aplica que será discutido na sessão prevista para amanhã no plenário do Supremo.

A decisão do Supremo, portanto, pode ter efeito de médio a devastador sobre a Lava Jato, política e juridicamente, devido a suas práticas que ignoraram o devido processo legal e a ampla defesa.

 • Leia também: Gilmar Mendes ataca ‘mecanismos obscuros de obtenção de prova’ da Lava Jato

A votação no STF até aqui

Com os votos finais do julgamento iniciado na semana passada, o Plenário do Supremo decidiu a favor da tese que beneficia o delatado por 6 votos a 5, na votação sobre o caso específico do HC impetrado pelo ex-gerente de Empreendimentos da Petrobras Márcio de Almeida Ferreira.

Além de Toffoli, votaram a favor do HC específico Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello. Votaram contra e foram vencidos, Edson Fachin (relator), Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Marco Aurélio e Cármen Lúcia.

A ministra Cármen Lúcia, que não viu elementos para a concessão do HC ao caso específico, havia proferido voto diferente no julgamento de caso semelhante envolvendo Aldemir Bendine, ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras, em agosto. Hoje embora tenha votado contra a concessão do HC a Marcio Ferreira, votou a favor da tese, formando então maioria de 7 votos a 4 pelo direito do réu alvo de delação falar por último nas alegações finais.

Com um tom de voz mais alto do que o conhecido em seu estilo, Toffoli votou logo após Marco Aurélio. Antes de entrar no voto propriamente dito, o presidente da corte afirmou que, “se existe combate à corrupção é graças a este Supremo Tribunal Federal”.

Embora tenha ressaltado que houve um “pacto” com os poderes Legislativo e Executivo, ele frisou: “É uma falácia dizer que esta corte atua em sentido contrário. Esta corte mantém o combate à corrupção, mas repudia os abusos, excessos e a criação de poderes paralelo”. Destacou ainda: “Não é de pouca coisa que estamos falando, é do maior direito de todos, a liberdade”.

No voto, o presidente do tribunal destacou que “o direito de defesa tem a maior importância. Para a própria democracia, eu diria”. Ele acrescentou: “Reconheço que em todos os procedimentos penais é direito do acusado delatado apresentar as alegações finais após o acusado delator”.

Segundo o ministro, o delator e o delatado têm interesses contrastantes, pois o delator está colaborando com o Estado. “O delator e o delatado tem interesses contrastantes. Delator está colaborando com o Estado.”

Em seu voto, Marco Aurélio argumentou que não existe previsão legal que embase a tese que vence a partir de divergência do ministro Alexandre de Moraes.

Segue o debate

A tese de que a condenação pode ser anulada nos casos em que o réu delatado pediu à Justiça para falar por último, mas teve a solicitação negada – e comprovou o prejuízo à defesa, é de Toffoli. O ministro Ricardo Lewandowski, porém, contesta que seja imposta alguma restrição para cercar o entendimento apenas a uma parte dos réus eventualmente cerceados de se defender.

“Imaginamos dois réus no mesmo processo — um recorreu (para se manifestar depois do delator), outro não. Como fica a isonomia? Vamos declarar aqui a inconstitucionalidade do artigo 580 do CPP?”, questiona Lewandowski. O ministro se refere a um tópico do Código de Processo Penal. Segundo a artigo, um entendimento da Corte para um recurso interposto por um dos réu, “se fundado em motivos que não sejam de caráter exclusivamente pessoal, aproveitará aos outros”.

Esse será o assunto a ser debatida nesta quinta-feira (3). (Atualização: decisão adiada)


Análise do julgamento no STF – Assista ao Bom para Todos