Home Política Filha de Brigitte Macron lança movimento contra misoginia após ofensa de Paulo Guedes
Reação

Filha de Brigitte Macron lança movimento contra misoginia após ofensa de Paulo Guedes

“Estamos em 2019 em um responsável político visa uma personalidade pública sobre seu físico. Isso ainda existe", disse a advogada Tiphaine Auzière
Publicado por Glauco Faria, para a RBA
08:48
Compartilhar:   
Reprodução

São Paulo – Na noite desta sexta-feira (6), a filha do primeiro casamento de Brigitte Macron, Tiphaine Auzière, lançou uma campanha contra a misoginia por meio de um vídeo publicado em suas redes sociais. A iniciativa surgiu após o ministro da Economia Paulo Guedes ter ofendido a mulher do presidente francês Emmanuel Macron na quinta-feira (5). Em uma palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro, ele afirmou, referindo-se a outro comentário machista postado por Jair Bolsonaro: “O presidente disse isso, e essa é a verdade, essa mulher é realmente feia”.

Conforme destaca o site RFI,  advogada Tiphaine Auzière aparece em um vídeo com uma folha na qual está impressa uma matéria publicada a respeito das declarações de Guedes. “Estamos em 2019 em um responsável político visa uma personalidade pública sobre seu físico. Isso ainda existe”, pontua ela.

“Não estamos aqui para dar lição em ninguém, pois a França não está livre disso”, disse Tiphaine Auzière, ressaltando que o episódio é uma oportunidade para mobilizar e conscientizar a população  a respeito do preconceito sofrido pelas mulheres. “Vamos juntos, a partir de amanhã, reagir, nos engajar dentro de nossas famílias, no nosso trabalho e nas urnas para denunciar os misóginos”. Na sequência, ela mostra um cartaz com os dizeres #Balancetonmiso (denuncie o seu misógino, em tradução livre).

Outras personalidades políticas francesas já haviam manifestado solidariedade a Brigitte Macron. “Mas qual é o problema com o governo brasileiro? Depois de Jair Bolsonaro, o ministro da Economia? Bando de grosseiros! Quando eles insultam Brigitte Macron, são todas as mulheres francesas que se sentem insultadas”, publicou a ex-ministra da Educação do governo Nicolas Sarkozy e atual presidenta da região de Ilê-de-France, Valérie Précresse. Em sua publicação no Twitter, ela acrescentou ainda a hashtag em português #Vergonha.

O líder do partido/movimento político França Insubmissa, Jena-Luc Mélenchon, que esteve no Brasil para visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, também postou em seu perfil no Twitter um texto dirigido à mulher do primeiro-ministro Emmanuel Macron. “Senhora, os brasileiros que conheci estão indignados com a grosseria de seus líderes em relação a você. Eu também. Quem a insulta é quem aprisiona Lula inocentemente. Sinta-se forte em nosso desgosto por tais brutos.”