Home Política Safatle: ‘Brasil precisava quebrar ilusão de construir conciliações sem conflito’
Feridas abertas

Safatle: ‘Brasil precisava quebrar ilusão de construir conciliações sem conflito’

Para o filósofo Vladimir Safatle, atual momento histórico mostra que o "pacto social" no país acabou, e a democracia ainda é algo a ser alcançado
Publicado por Luciano Velleda, para a RBA
13:46
Compartilhar:   
Arquivo/Agência Brasil

Vladimir Safatle acredita que o modelo de conciliação nacional fracassou. Aumento da pobreza e da violência mostram que democracia nunca existiu de fato

São Paulo — A Constituição de 1988 é costumeiramente descrita como um “pacto social”, um momento histórico em que o Brasil deixava para trás 21 anos de ditadura e almejava iniciar um período democrático, com as diferentes classes sociais unidas em torno de um objetivo em comum. Para o filósofo Vladimir Safatle, a eleição de Jair Bolsonaro (PSL), o crescimento do discurso de extrema-direita, os lucros da elite enquanto a maioria da população padece do desemprego, tudo isso junto mostra que o sonho acabou.     

“Ninguém tem clareza do que significa governar esse país hoje. O país é ingovernável. É um país que não tem mais pacto, sem condições de criar uma maioria”, analisa Safatle, em entrevista aos jornalistas Glauco Faria e Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual. “O modelo de conciliação da Nova República acabou. O modelo de governo da Nova República acabou.”

Por mais duro que seja, o professor livre-docente da Universidade de São Paulo (USP) acredita que o país tinha mesmo que passar pelo atual momento. Um período histórico em que cerca de 30% da população brasileira não só apoia as ideias de Bolsonaro, mas está mobilizada e sem dar mostras de que vai mudar de posição, independente do que aconteça, enquanto entre os outros 70% cresce a rejeição ao presidente, porém sem um processo de unificação de forças.

“O Brasil precisava quebrar as suas ilusões a respeito de si mesmo. Quebrar as ilusões de que podia construir conciliações sem nenhum tipo de conflito, que conseguiria compor algum tipo de processo seguro de transição à democracia sem levar em conta os crimes que o Estado cometeu e comete ainda hoje, e que passam impunes. O Brasil é o único país da América Latina que não colocou nenhum torturador na cadeia, e por isso é o país que tem o maior número de casos de tortura na América Latina”, explica o filósofo.

Como consequência da falta do “acerto de contas”, Safatle afirma que o Brasil tem hoje cidadãos “matáveis” e “não matáveis”. Há uma política de extermínio em curso nas periferias do Brasil, cujo sangue nos asfalto não sensibiliza parcelas da população. “Imaginar que com esse Estado brasileiro a gente conseguiria criar uma democracia demonstra o grau de ilusão em que a gente estava assentado. Não é que a nossa democracia está em risco, a nossa democracia nunca existiu. Ela existiu para uma faixa da população, enquanto a outra vivia num sistema medonho.”

Safatle acredita que a sociedade brasileira tem agora a tarefa de criar algo parecido com uma democracia, por meio de uma transformação radical do papel do Estado. “A função do Estado brasileiro, até hoje, foi gerir uma guerra civil surda. E nada disso permitiu que se criasse um projeto de coesão nacional, porque ele não existia.” Para ele, o governo de Bolsonaro começa a mostrar que o país está sem clareza do que quer, ainda que dê indícios do que não quer.

Acompanhe entrevista de Vladimir Safatle à Rádio Brasil Atual