Home Política Recesso abre janela para oposição tentar reduzir impactos da ‘reforma’ da Previdência
Congresso Nacional

Recesso abre janela para oposição tentar reduzir impactos da ‘reforma’ da Previdência

Após primeiro turno que aprovou PEC 6, segunda votação ficou para agosto. No Senado, governo quer aprovação rápida e promulgação da emenda constitucional até início de outubro
Publicado por Eduardo Maretti, da RBA
19:54
Compartilhar:   
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados e Jefferson Rudy/Agência Senado

Ivan Valente e Humberto Costa acreditam que pressão nas bases pode influenciar parlamentares, mas são realistas

São Paulo – O Congresso Nacional entra em recesso nesta quarta-feira (18). Deputados e senadores voltam em agosto. A oposição ao governo Bolsonaro conta com esse período, em que parlamentares ficarão expostos a suas bases, para que pelo menos alguns pontos do texto da “reforma” da Previdência, aprovado em primeiro turno, sejam modificados na segunda votação da Câmara. O abono salarial e a pensão por morte são duas questões do relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) que oposicionistas acreditam ser possível mudar.

Isso porque a vitória do governo nos destaques que tratavam desses pontos foi por diferença muito inferior à verificada na votação do texto-base, quando o governo conseguiu enorme margem, de 71 votos a mais do que os 308 necessários à aprovação de uma proposta de emenda à Constituição (PEC). No caso da PEC 6, foram 379 votos a 131.

Já o destaque do Psol que propunha manter o abono salarial a quem ganha até dois salários mínimos foi derrotado por 326 votos a 164, apenas 18 a mais. Pelo texto aprovado, terão direito ao benefício os trabalhadores que recebem até R$ 1.364,43. Outro destaque, do PT, que pretendia tirar do texto a regra que permite que o benefício da pensão por morte seja inferior a um salário mínimo foi excluído por diferença de 20 votos (328 a 156) em relação aos 308 necessários.

“Ainda há destaques que podem minimizar os prejuízos”, diz o deputado federal Ivan Valente (Psol-SP). “Como a margem de apoio a essas propostas foi por 18, 20 votos a mais para o governo, e não 71, essa diferença permite que possa haver influência da pressão sobre os deputados que estarão nas bases durante o recesso.” O parlamentar afirma que a postergação do segundo turno na Câmara para agosto permite que as pessoas que ainda não entenderam o que a reforma significa sejam informadas e os prejuízos possam ser “minimamente” ser revertidos a partir da pressão das bases.

No Senado

Passando pela Câmara, a PEC 6/2019 segue para o Senado, onde Simone Tebet (MDB-MS), presidenta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), já tem um cronograma pronto. Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (15), ela afirmou que sua expectativa é de que a tramitação completa no Senado, até ser aprovada pelo plenário, será de aproximadamente dois meses. Assim, segundo a senadora, a PEC, caso seja aprovada, será promulgada na primeira quinzena de outubro. O presidente (do Senado, Davi Alcolumbre, do DEM-AP) quer surpreender positivamente o país com uma tramitação rápida”,  acrescentou.

“No Senado, o governo e a direita têm uma maioria mais folgada. Resta saber se a população também não vai despertar, pressionar, porque agora é que as pessoas estão começando a avaliar quanto tempo terão que trabalhar para se aposentarem e quanto vão receber”, diz o senador Humberto Costa (PT-PE). “Pode ser que, com pressão, a tramitação não seja tão rápida quanto eles pretendem.”

Na avaliação do analista do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) Antônio Augusto de Queiroz, o Toninho, as chances de o texto mudar no segundo turno na Câmara são menores do que no primeiro. Para ele, o calendário da senadora Simone Tebet é plausível. “É muito provável que o Senado aprove com mais facilidades do que foi na Câmara. Mas isso não impede que se deva fazer muito mais trabalho no Senado do que na Câmara”, diz.

Costa considera o cenário difícil para a oposição. “Em princípio, não só pela maioria que eles têm, mas pelo fato de que no Senado o texto só passa por uma comissão (CCJ). O que vai definir é a correlação de forças.”

Se o Senado mudar o texto, ele retorna à Câmara, o que poderia inviabilizar a aprovação da reforma em 2019. Porém, essa é uma possibilidade que está na mira das articulações e negociações do governo com o Centrão e com a principal liderança do Congresso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), responsável pela condução política de todo o processo que levou à aprovação da PEC no primeiro turno.

“Eles vão tentar vários atalhos. Por exemplo, querem fazer a votação da proposta para a inclusão dos estados. Podem fazer uma PEC paralela e promulgar a parte da PEC que interessa. Assim, não precisaria voltar tudo para a Câmara”, diz Humberto Costa.

Maia tentou, sem sucesso, negociar com os governadores a inclusão dos estados no relatório de Samuel Moreira antes do primeiro turno na Câmara. O Senado representa os estados no Congresso Nacional.