Home Política Querer destruir provas é o crime mais grave de Moro, afirma jornalista do ‘Intercept’
VAZA JATO

Querer destruir provas é o crime mais grave de Moro, afirma jornalista do ‘Intercept’

“Moro é um juiz corrupto que violou todas as leis, e fala em destruir evidências? Isso é um crime muito sério. Esse escândalo é muito mais grave do que o que reportamos”, afirmou Glenn Greenwald
Publicado por Helder Lima, da RBA
20:02
Compartilhar:   
Reprodução

Glenn: “O mundo todo está vendo o que o governo está fazendo contra nós”, afirmou, durante ato pela liberdade de imprensa que lotou auditório da ABI, no Rio. “A investigação da nossa fonte não tem nada a ver com a nossa reportagem”

São Paulo – O jornalista Glenn Greenwald afirmou hoje (30), durante evento no Rio de Janeiro, que o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, comete um crime grave ao falar em destruir as provas de corrupção na Operação Lava Jato, obtidas por hackers presos pela Polícia Federal. “Moro é um juiz corrupto que violou todas as leis, e fala em destruir evidências? Isso é um crime muito sério. Esse escândalo é muito mais grave do que o que reportamos”, afirmou o jornalista do Intercept, que conduz os vazamentos de conversas do ex-juiz com procuradores que apontam intenção de tirar os ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva das eleições do ano passado.

Glenn concedeu entrevista coletiva na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no centro do Rio, antes da realização de um ato no auditório em solidariedade aos ataques e ameaças que vem sofrendo, desde que começou a publicar os conteúdos dos vazamentos, em 9 de junho. “O mundo todo está vendo o que o governo está fazendo contra nós”, afirmou. “Eu acho que a investigação da nossa fonte não tem nada a ver com a nossa reportagem”.

O jornalista lembrou de sua atuação no caso do vazamento do sistema de espionagem em massa dos Estados Unidos, por meio da Agência Nacional de Segurança (NSA) e destacou que “isso não mudou nada por causa do interesse público, mesmo com as alegações de que prenderam nossa fonte”. Ele disse também que abrir ao público o acervo de relações da Lava Jato significa levar transparência para as pessoas, “em um país que neste momento está no escuro”.

“Bolsonaro e Moro sabem como o jornalismo funciona. E nas últimas décadas o jornalismo tem sido feito com fontes que passam documentos obtidos ilegalmente. Em nenhuma democracia é considerado que o jornalista que recebe a informação está cometendo crime”, afirmou.