Home Política Intercept para Bolsonaro: ‘Não temos medo’
ATAQUE À IMPRENSA

Intercept para Bolsonaro: ‘Não temos medo’

Site editado pelo jornalista Glenn Greenwald rechaça ameaça e preconceitos de Bolsonaro, que afirmou que talvez o jornalista “pegue uma cana”
Publicado por Helder Lima, da RBA
12:29
Compartilhar:   
Vinicius Loures/Câmara dos Deputados e Marcelo Camargo/Agência Brasil

Glenn e Bolsonaro: Intercept apoia e reafirma o direito de Glenn Greenwald, e de todos os jornalistas do Intercept Brasil, de fazer jornalismo sem qualquer intimidação oficial

São Paulo – O site Intercept, que vem divulgando os vazamentos do conluio entre o ex-juiz Sergio Moro e os procuradores da Lava Jato para prejudicar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, divulgou nota em resposta à ameaça do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Neste sábado, o presidente afirmou que o jornalista Glenn Greenwald, editor do Intercept, “talvez pegue uma cana”, referindo-se aos conteúdos vazados pelas reportagens.

Confira a nota:

“O Intercept condena veementemente as declarações que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, fez sobre o jornalista e editor cofundador do Intercept, Glenn Greenwald. Jair Bolsonaro chamou Glenn Greenwald de “malandro” por ter casado com um brasileiro e adotado crianças no Brasil, o que dificultaria a sua deportação do país. A acusação seria ridícula se não fosse perigosa: o casamento de Glenn Greenwald ocorreu há quatorze anos, antes dele e da equipe do Intercept Brasil terem começado a publicar uma série de reportagens baseadas em um arquivo de conversas secretas revelando a má conduta de certos membros da força-tarefa Lava Jato.

Bolsonaro também disse que Greenwald “talvez pegue uma cana aqui no Brasil”, uma expressão coloquial que soa como uma ameaça. Glenn Greenwald e os repórteres do Intercept Brasil conduziram seu jornalismo com a máxima integridade, sempre pensando no interesse público, e por isso, gozam de total proteção da Constituição brasileira. O Intercept apoia e reafirma o direito de Glenn Greenwald, e de todos os jornalistas do Intercept Brasil, de fazer jornalismo sem qualquer intimidação oficial, muito menos deportação ou prisão.

Somos gratos pela solidariedade dos defensores da liberdade de imprensa em todo o mundo, já que as instituições democráticas brasileiras enfrentam esse profundo teste sob o atual governo, comandado por um autoritário que não vê nada de errado em ameaçar um jornalista simplesmente por exercer a sua profissão.

Experiências autoritárias em diversas partes do mundo demonstram que, mais do que nunca, é hora de fortalecer o jornalismo independente, que não se ajoelha diante de governantes ou de corporações. É isso que o Intercept e o Intercept Brasil fazem. Nós não temos medo de enfrentar quem quer que seja porque é a democracia que está em jogo. Se você acha que essa luta é importante faça também sua parte”.