Home Política Fala sobre nordestinos expõe face fascista de Bolsonaro, diz senador
Discriminação

Fala sobre nordestinos expõe face fascista de Bolsonaro, diz senador

Menções do presidente, que usa expressões "paraíba" e "pau-de-arara" provocam indignação de governadores e parlamentares
Publicado por Eduardo Maretti, da RBA
19:59
Compartilhar:   
Agência Senado

Essas falas revelam sua face fascista, sem manto e sem véus, ao fazer essa separação entre brasileiros", diz senador

São Paulo – “É um impropério, uma coisa absurda um presidente da República discriminar 30% do seu país e do seu povo. Essas falas revelam sua face fascista, sem manto e sem véus, ao fazer essa separação entre brasileiros”, diz o senador Rogério Carvalho (PT-SE) sobre as declarações do presidente Jair Bolsonaro nas quais chama nordestinos de “paraíbas” e pau-de-arara”.  “Minhas filhas são paulistas, eu sou sergipano, meu pai era carioca. Todos brasileiros”, acrescenta o parlamentar, lembrando a canção “Paratodos”, de Chico Buarque, que diz:  “O meu pai era paulista/Meu avô, pernambucano/O meu bisavô, mineiro/Meu tataravô, baiano/Meu maestro soberano/Foi Antonio Brasileiro”.

No fim de semana, sob o pretexto de atacar o governador Flávio Dino, Bolsonaro afirmou: “Daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão”. Em um vídeo divulgado pelo perfil Museu da Direita Histérica no Twitter, Bolsonaro aparece dirigindo-se a um assessor nordestino fazendo uma brincadeira e o chama de “pau de arara”. Na rede social, disse que não fez “nenhuma crítica ao povo nordestino” e afirmou que eles são seus “irmãos”.

O governador maranhense reagiu com ironia. “A cabeça dele é movida pelo confronto, e o coração, infelizmente, está possuído de ódios. Só sei que sou o pior dos gestores na visão dele, o que para mim é uma honraria.” Os governadores do Nordeste se manifestaram com a divulgação de uma carta conjunta.

De acordo com Rogério Carvalho, o povo nordestino recebe as falas de Bolsonaro com indignação. “Estive ontem em duas cidades e as pessoas estão indignadas. O que ele está pensando que é? O fato de ser presidente não lhe dá o direito de discriminar. Mas, na verdade, essas coisas mostram o que a gente já sabia que ele é: intolerante do ponto de vista religioso, de gênero e de raça. É racista e preconceituoso.”

A discriminação, para prejuízo da economia brasileira, ultrapassa inclusive as fronteiras brasileiras, lembra Carvalho, citando os navios iranianos carregados de milho brasileiro parados porto de Paranaguá (PR) desde o início de junho. Devido às sanções dos Estados Unidos de Donald Trump ao Irã, que o governo brasileiro acompanha cegamente, a Petrobras está proibida de abastecer as embarcações.

“Como pode um importador relevante ficar com os navios presos com mercadoria? E o pior de tudo é que o setor empresarial não reage, porque Bolsonaro está quebrando o país. É irresponsável e inconsequente. Não respeita o país, não respeita a economia do país, não respeita o emprego, o trabalho das pessoas. Não dá nem para adjetivar, para não baixar o nível”, afirma o senador.

Nas redes sociais, o governador do Ceará, Camilo Santana, reagiu às falas de Bolsonaro. “O Nordeste está unido e o Brasil precisa se unir, mais do que nunca. Chega de ódio e intolerância! Tenho muito orgulho do meu Ceará, do meu Nordeste e muito amor pelo meu país”, escreveu, sem citar o presidente.

As declarações do chefe do Executivo repercutiram mal inclusive em meios militares. O general da reserva Luiz Rocha Paiva acusou Bolsonaro de ser antipatriótico ao discriminar os nordestinos. O presidente reagiu: “O melhor de tudo foi ver um único general, Luiz Rocha Paiva, se aliar ao PC do B de Flávio Dino para me chamar de antipatriótico. Sem querer, descobrimos um melancia, defensor da Guerrilha do Araguaia, em pleno século 21”.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), informou que não participará da inauguração do Aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista (BA). O senador Otto Alencar (PSD-BA) teve a mesma reação e também anunciou que não participará do evento. “Não vou porque diante dessa agressão dele, de chamar o nordestino de ‘paraíba’, pode ter algum desentendimento”, disse, emendando: “A gente não tem sangue de barata. Não tem um centavo da atual gestão federal ali”, declarou, ao site O Antagonista.

O senador Jaques Wagner apoiou a decisão de Rui Costa de não ir à inauguração aeroporto. “Era pra ser uma festa popular, como Rui queria, chamando toda a cidade, colocando todo mundo pra ir conhecer essa joia que Vitória da Conquista está ganhando, e acabaram transformando numa disputa mesquinha da política, tentando fazer quase que um ato político-partidário”, afirmou .

Também no Twitter, o senador Humberto Costa (PT-PE) se manifestou. “Não basta agredir os governadores da região e chamar os nordestinos de ‘paraíba’. É preciso ir além. É preciso chamá-los de ‘pau-de-arara’ e fazer outras comparações depreciativas. Bolsonaro, mais do que uma vergonha, é uma desonra ao cargo de presidente do Brasil”, disse Costa.