Home Política STF dispensa autorização do Legislativo para venda de subsidiárias de estatais
Privatizações

STF dispensa autorização do Legislativo para venda de subsidiárias de estatais

Depois de três sessões, Plenário do Supremo define que somente venda de 'empresa-mãe', ou matriz, caso da Petrobras, exige pronunciamento do Congresso Nacional e licitação
Publicado por Eduardo Maretti, da RBA
20:28
Compartilhar:   
Rosinei Coutinho//STF

Presidente da Corte, ministro Dias Toffoli proclamou resultado da decisão do Plenário na noite desta quinta-feira

São Paulo – Após três sessões, o Supremo Tribunal Federal (STF) encerrou o julgamento (suspenso na quarta-feira) sobre a necessidade ou não de autorização legislativa para a venda de empresas estatais. A decisão envolveu polêmicas e, ao final, o presidente da Corte, Dias Toffoli, proclamou o resultado do julgamento, de acordo com entendimento “médio” dos 11 ministros, considerando a complexidade de aspectos envolvendo a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5624. Pela decisão, a alienação de empresas públicas exige autorização legal, e portanto, do Legislativo, assim como de licitação.

Porém, a decisão só se aplica às matrizes, ou empresas-mãe, como, por exemplo, a Petrobras. A decisão não se aplica às subsidiárias ou controladas dessas estatais, que podem ser alienadas sem autorização legal e sem licitação. A ressalva é que, ao alienar esses ativos, é preciso algum tipo de concorrência, ou “procedimento competitivo”, segundo expressão da ministra Rosa Weber.

A Transportadora Associada de Gás (TAG), cuja venda foi interrompida por decisão liminar do ministro Edson Fachin no mês passado, é uma subsidiária da Petrobras que está na iminência de ser vendida. Segundo entendimento dos ministros, “o voto médio contempla todos”, em relação ao polêmico julgamento. A TAG se enquadra na exigência de que haverá necessidade de concorrência, caso ela seja alienada.

Após encerrados os votos, os ministros travaram um debate para chegar a um entendimento e concluir que a alienação do controle acionário da empresa matriz exige autorização legal e também licitação. E, sem segundo lugar, que o ordenamento legal, incluindo a Constituição e legislação ordinária, não requer autorização do Legislativo para a alienação de controle das subsidiárias.

O julgamento decorre de cautelar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski em junho do ano passado, quando ele suspendeu a autorização de venda de estatais sem autorização do Parlamento.

A ministra Rosa Weber votou no sentido de que é necessária autorização legislativa para a venda de controle acionário de estatais e subsidiárias, inclusive a partir de lei genérica, ou seja, não específica para cada caso. A ministra defendeu licitação para venda de estatal (as empresas-mãe, como a Petrobras).

“À luz da Constituição, a jurisprudência consagra a exigência de autorização, ainda que genérica, por meio de lei formal, para criação de subsidiária de empresa pública ou sociedade de economia mista. Estabelecida a exigência, de maneira correlata, há também de ser exigida a autorização de extinção de subsidiária”, disse Rosa Weber, seguindo o relatório de Lewandowski.

O ministro Luiz Fux evocou corrupção, a operação Lava Jato e a “dívida de bilhões” da Petrobras para argumentar que “hoje um dos princípios da administração é a eficiência”. Ele resumiu sua compreensão com uma sentença: “Imagina se é função do Judiciário criar prioridades empresariais a interesses políticos”.

Ele acrescentou que “o Brasil precisa de investimentos, mercado de trabalho e vencer a suposta moralidade que há com a tutela excessiva das estatais”. Para Fux, não há necessária licitação para desinvestimentos.

Relator de quatro ações diretas de inconstitucionalidade, Ricardo Lewandowski, no voto de ontem, manteve o entendimento que proferiu em liminar de junho do ano passado, de que a venda do controle acionário de empresas estatais, ou de subsidiárias, precisa de aval do Congresso Nacional e de licitação. O ministro Alexandre de Moraes, que votou a seguir, abriu divergência contra o entendimento do relator.