Home Política Retirada de habeas corpus de Lula da pauta do STF ‘é mais uma manipulação’, diz Wadih Damous
Segunda turma

Retirada de habeas corpus de Lula da pauta do STF ‘é mais uma manipulação’, diz Wadih Damous

Nesta segunda-feira, a pedido do ministro Gilmar Mendes, o caso em que a defesa do ex-presidente alega suspeição de Sergio Moro saiu da lista de julgamentos
Publicado por Eduardo Maretti, da RBA
19:46
Compartilhar:   
Carlos Moura/SCO/STF

STF: "De ordem do ministro Gilmar Mendes, vistor, o processo foi retirado do calendário de julgamento do dia 25/6/2019"

São Paulo – “É mais uma manipulação de pauta, e mais um atentado ao ordenamento jurídico brasileiro. O habeas corpus é uma ação que está no rol daquilo que a doutrina chama de ‘remédio heroico’. Tem que ser apreciado com precedência em relação a qualquer outro processo.” A avaliação é do advogado e ex-deputado federal Wadih Damous, após a retirada de pauta do julgamento do Habeas Corpus 164.493, em que os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva alegam a suspeição do ex-juiz Sergio Moro no processo do tríplex de Guarujá (SP).

“Isso está lei e no Estatuto do Idoso, no caso do Lula. Em relação a determinadas personagens, no sistema de Justiça, a lei hoje não quer dizer mais nada”, acrescenta. O ministro Gilmar Mendes, que havia pedido vista do processo, decidiu retirar o caso da pauta nesta terça (24). “De ordem do excelentíssimo ministro Gilmar Mendes, vistor, certificamos que o processo foi retirado do calendário de julgamento do dia 25/6/2019”, informa o STF na página referente ao HC de Lula.

“É mais uma uma atitude política de quem deveria estar julgando de acordo com a lei. A ministra Cármen Lúcia já havia feito a mesma coisa quando estava na presidência da corte”, diz Damous, em referência ao julgamento das Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADCs) 43, 44 e 54, que discutem a prisão ou não após condenação em segunda instância.

Então presidente do STF, Cármen se recusou a pautar as ADCs durante o ano de 2018, mesmo após o ministro Marco Aurélio, relator das ações, ter liberado as três para julgamento pelo plenário no final de 2017. A partir desta terça-feira (25), a ministra passa a ocupar a presidência da Segunda Turma no lugar de Ricardo Lewandowski.

“Objetivamente, quando se trata do presidente Lula, tudo tem um tratamento diferente do ordinário. É o ‘procedimento Lula’, em todos os aspectos, até numa pauta de processo o caso dele tem tratamento diferenciado”, diz Damous.

O HC de Lula não tem data para ser analisado pela Turma, o que pode acontecer apenas em agosto, depois do recesso do Judiciário brasileiro. O processo já tem dois votos, ambos contrários ao pedido da defesa. Em dezembro, os ministros Edson Fachin, relator da Lava Jato no tribunal, e a ministra Cármen Lúcia votaram contra o pedido de suspeição de Moro. Depois disso, Gilmar Mendes pediu vista. Além deles, compõem o colegiado os ministros Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

A suspeição do ex-juiz e atual ministro, de acordo com aliados de Lula, se concretizou depois que ele aceitou convite para o cargo de ministro da Justiça e Segurança de Jair Bolsonaro (PSL). Os vazamentos das conversas de Moro com o procurador Deltan Dallagnol, revelados por The Intercept, segundo os advogados e aliados de Lula, reforçam os argumentos da defesa.

Em artigo divulgado pela internet, o cientista político e ex-presidente do PSB Roberto Amaral afirma que a discussão sobre a legalidade ou ilegalidade das revelações do Intercept “tem um só objetivo: esvaziar a gravidade de seu significado”. Para ele, “ao invés de o debate travar-se em torno do mérito da questão, o conluio entre juiz e procuradores, deriva para o secundário”.

Nesta segunda-feira, a defesa do ex-presidente protocolou petição no STF pedindo que o HC fosse julgado nesta terça, como previsto por indicação do próprio ministro Gilmar Mendes na semana passada. Segundo o magistrado, não haveria tempo hábil para análise do caso. Daria mais tempo de o caso ser analisado amanhã.

Em outro julgamento, no dia 11 de junho, a Segunda Turma STF decidiu remeter ao plenário o julgamento do habeas corpus (HC) contra uma súmula do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que determina o cumprimento prisão imediato da pena a réus condenados em segunda instância.