Home Política Por que tanto mistério em torno do filme que enaltece a Lava Jato?
Vaza Jato

Por que tanto mistério em torno do filme que enaltece a Lava Jato?

Ministério da Justiça ainda não esclareceu a abertura de arquivos da PF para equipe do filme. E a identidade revelada dos patrocinadores é falsa
Publicado por Cida de Oliveira, da RBA
10:18
Compartilhar:   
Facebook/via Conversa Afiada

O então juiz federal Sergio Moro, símbolo da operação da PF

São Paulo – Os deputados federais pelo PT Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) vão protocolar novo requerimento de informações ao Ministério da Justiça e Segurança Pública sobre o envolvimento da Polícia Federal na produção do filme Polícia Federal – A Lei é para todos, que enaltece os agentes e a própria operação Lava Jato.  O pedido anterior, formalizado em fevereiro de 2017 à pasta e que continha ainda a assinatura do ex-deputado Wadih Damous (PT-RJ), ainda não foi atendido.

A retomada da apuração, segundo Teixeira, foi motivada pela divulgação, pelo Intercept Brasil, das conversas entre o ex-juiz federal Sergio Moro, atual ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro (PSL), e o coordenador da operação, o procurador Deltan Dallagnol. A troca de mensagens pelo aplicativo Telegram demonstra que Moro dava as cartas na coordenação da Força Tarefa.

Os parlamentares querem explicações sobre o acordo em forma de consultoria que teria sido firmado entre a PF e a produção do filme. Na época, o produtor Tomislav Blazic e o diretor Marcelo Antunes chegaram a dizer em entrevista que, embora a polícia federal “não tem a tradição de ficar transmitindo informações, daquela vez tiveram interesse em torna-las públicas”. O ator Ary Fontoura, que interpretou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou à imprensa que a equipe teve acesso a arquivos da Polícia. Quem seriam os responsáveis pela abertura de informações?  Respaldados em qual legislação? Que equipamentos e armas do órgão teriam sido usados?

E mais: o fato da produção afirmar em entrevistas não ter dinheiro público envolvido, mas guardar sigilo quanto ao nome dos patrocinadores, não levantaria suspeitas sobre a procedência desse financiamento? A Polícia Federal sabe quem financiou o filme? Teve acesso à documentação da transação financeira para custear a produção? Qual o amparo legal para que uma atividade dessa natureza omita a origem dos recursos recebidos e guarde sigilo de seus patrocinadores?

Tamanho mistério sobre a identidade daqueles que teriam injetado os cerca de R$ 15 milhões correspondentes ao orçamento do longa metragem, tratado com naturalidade pelo produtor, ainda persiste sob o argumento do temor  de “patrulhamento ideológico”. Será?

Pista falsa

Em 27 de agosto de 2017, o jornalista Lauro Jardim, de O Globo, noticiou que os financiadores de filme sobre a Lava Jato foram reunidos pela Saga Investimentos. E dava conta de que o grupo tinha sede em São Paulo. Dois dias depois, veículos da mídia alternativa publicaram reportagens sobre os supostos financiadores.

A empresa do setor financeiro informado por Jardim foi diretamente associada à Saga Investimento e Participações do Brasil S/A, comandada pelo empresário Sergio Antonio Garcia Amoroso. Com empresas no setor florestal, de mineração, celulose, agronegócio e financeiro entre outros, Amoroso rapidamente negou envolvimento. E afirmou haver outras empresas do mesmo ramo e com o mesmo nome.

Reprodução

Destaque da nota de Lauro Jardim, apontando financiamento para empresários ligados à Saga Investimentos, de Sérgio Amoroso

 

De fato. A reportagem da RBA encontrou a Saga Gestão de Investimentos Financeiros Ltda e a Sagapar Participações Ltda, ambas sediadas no mesmo endereço, na Barra da Tijuca, bairro nobre do Rio de Janeiro. Entre os sócios está o empresário Rafael Zingales Icaza. De acordo com a Receita Federal, ele tem participação em 19 empreendimentos no setor financeiro, imobiliário cultural e de entretenimento. A Delphos Produções Artísticas, Delphos Soluções Culturais, Core Bar e Eventos Ltda e a Cinesystem S.A.

As duas últimas têm particularidades curiosas. Localizada no Rio de Janeiro, a Core Bar é sócia da produtora do Polícia Federal – A Lei é para Todos New Cine & TVA reportagem tentou contato telefônico com a New Cine diversas vezes, mas as chamadas não foram atendidas.

Reprodução

Detalhe da ficha da empresa na Receita Federal

Mundo do cinema

Outra ligação de Icaza com o mundo do cinema é a sociedade na Cinesystem. Sediada em Maringá – coincidentemente a cidade natal do ex-juiz e atual ministro da Justiça Sergio Moro – a empresa é do ramo de salas de cinema em shoppings centers.

Aclamado pela imprensa conservadora como maior bilheteria nacional de 2017, o filme da Lava Jato vendeu 1,2 milhão de ingressos nas quatro primeiras semanas em cartaz. Mas não foi muito além. De acordo com o Observatório do Cinema e do Audiovisual da Agência Nacional do Cinema (Ancine), o público total foi de 1,36 milhão. A  arrecadação com a venda de ingressos não passou de R$ 21,5 milhões. O Tropa de Elite 2, por exemplo, vendeu mais de 11,14 milhões de ingressos. E arrecadou R$ 103,4 milhões.

O fracasso da película talvez explique a demora na continuidade da “trilogia”. Segundo a produção, o segundo filme da franquia mostraria o processo de impeachment que destituiu Dilma Rousseff (PT) mesmo sem ter cometido crime de responsabilidade. E o terceiro, teria como ápice a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril de 2018 na sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba – a mesma que participou ativamente da produção de A Lei é para Todos.

Ou será a razão pela qual os investidores preferem se manter no anonimato? Por pouco o filme não fica no vermelho.