Home Política MPF dá 10 dias para Ministério da Educação cancelar nota em que tenta coibir protestos
Livre expressão

MPF dá 10 dias para Ministério da Educação cancelar nota em que tenta coibir protestos

Procuradores pedem que a pasta "abstenha-se de cercear a liberdade dos professores, servidores, estudantes, pais e responsáveis"
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
17:59
Compartilhar:   
Camilo Panzera

A Procuradoria observa que a educação está entre os direitos sociais do cidadão, conforme determina a Constituição. Na imagem, manifestação em Fortaleza

São Paulo – O Ministério da Educação tem 10 dias para cancelar nota, divulgada na última quinta-feira (30), em que “desautoriza” pais, alunos, professores e servidores a divulgar ou incentivar protestos em defesa da educação. A recomendação foi feita ontem (31) pelo Ministério Público Federal, que encaminhou o pedido ao ministro Abraham Weintraub. Os procuradores pedem que a pasta “abstenha-se de cercear a liberdade dos professores, servidores, estudantes, pais e responsáveis, pela prática de manifestação livre de ideias e divulgação do pensamento nos ambientes universitários, de universidades públicas e privadas e Institutos Federais”.

No documento, o MPF afirma ainda que o não acatamento da recomendação, seja infundado ou por insuficiência de argumentos, “poderá ensejar a adoção das medidas judiciais cabíveis”. A Procuradoria observa que a educação está entre os direitos sociais do cidadão, conforme determina a Constituição. O texto é assinado pelo procurador regional dos Direitos do Cidadão no Rio Grande do Sul, Enrico Rodrigues de Freitas, e pela procuradora federal Deborah Duprat.

Entre as considerações, o Ministério Público lembra que o capítulo de Constituição reservado ao tema “estabelece que a educação visa ao pleno desenvolvimento da pessoa e seu preparo para o exercício da cidadania – e não apenas sua qualificação para o trabalho –, tendo entre seus princípios a liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber e o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas”. Além disso,  “também estabelece como princípios do ensino no país o respeito à liberdade e o apreço à tolerância, a valorização da experiência extraescolar, a vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais e a consideração com a diversidade étnico-racial”.

Confira aqui a íntegra da recomendação do MPF.