Relações impróprias

Após depoimento de Lula, Moro sugeriu ao MPF que rebatesse defesa na imprensa

Nova publicação do "Intercept" mostra incômodo do atual ministro da Justiça após audiência com ex-presidente. Na posição de juiz, acionou acusadores contra o réu que deveria julgar com imparcialidade

Reprodução

São Paulo – O site The Intercept Brasil revelou novos conteúdos de conversas travadas entre o então juiz Sergio Moro e procuradores da Operação Lava Jato. Desta vez, as conversas se referem ao depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo relativo ao tríplex de Guarujá, em 10 de maio de 2017. Após a audiência, Moro provocou o procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima para que divulgasse uma nota à imprensa para rebater o que ele denominou como “showzinho” da defesa de Lula na ocasião.

Moro quis saber o que o integrante do Ministério Público tinha achado daquilo que a mídia tradicional qualificava como um embate entre o magistrado e o ex-presidente. Diversos vídeos circularam durante o dia mostrando trechos do depoimento de Lula. Deu-se o seguinte diálogo entre ambos, conforme o Intercept:

Santos Lima – 22:10 – Achei que ficou muito bom. Ele começou polarizando conosco, o que me deixou tranquilo. Ele cometeu muitas pequenas contradições e deixou de responder muita coisa, o que não é bem compreendido pela população. Você ter começado com o Triplex desmontou um pouco ele.

Moro – 22:11 – A comunicação é complicada pois a imprensa não é muito atenta a detalhes

Moro – 22:11 – E alguns esperam algo conclusivo

Moro – 22:12 – Talvez vcs devessem amanhã editar uma nota esclarecendo as contradições do depoimento com o resto das provas ou com o depoimento anterior dele

Moro – 22:13 – Por que a Defesa já fez o showzinho dela.

Santos Lima – 22:13 – Podemos fazer. Vou conversar com o pessoal.

Santos Lima – 22:16 – Não estarei aqui amanhã. Mas o mais importante foi frustrar a ideia de que ele conseguiria transformar tudo em uma perseguição sua.

O diálogo mostra algo inusitado e antitético: um juiz orientando os acusadores a realizar uma campanha midiática contra o próprio réu, que deveria ter da parte do magistrado um julgamento isento.

O site lembra que a iniciativa de Moro contradiz o que ele disse na ocasião a Lula. “Eu queria deixar claro que, em que pesem alegações nesse sentido, da minha parte não tenho nenhuma desavença pessoal contra o senhor ex-presidente. Certo? O que vai determinar o resultado desse processo no final são as provas que vão ser colecionadas e a lei. Também vamos deixar claro que quem faz a acusação nesse processo é o Ministério Público, e não o juiz. Eu estou aqui para ouvi-lo e para proferir um julgamento ao final do processo”, afirmou o juiz.

Confira íntegra da sexta matéria sobre as ilegalidades da Lava Jato aqui

Todas as publicações do The Intercept Brasil

• Parte 1 – COMO E POR QUE O INTERCEPT ESTÁ PUBLICANDO CHATS PRIVADOS SOBRE A LAVA JATO E MORO

• Parte 2 – ‘MAFIOSOS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!’

• Parte 3 – ‘ATÉ AGORA TENHO RECEIO’

• Parte 4 – ‘NÃO É MUITO TEMPO SEM OPERAÇÃO?’

• Parte 5 – LEIA OS DIÁLOGOS DE MORO E DALLAGNOL QUE EMBASARAM A REPORTAGEM

Leia tambémDez pontos para entender a gravidade da relação entre Moro e Dallagnol