livro

‘As Cartas que Lula não recebeu’ mostra indignação com golpe de 2016 e a prisão do ex-presidente

Ao todo, 100 escritores do Brasil e do mundo manifestam sua solidariedade e agradecimento do ex-presidente Lula, em obra que será lançada nesta terça (25), na Vigília Lula Livre, em Curitiba

Reprodução
Lançamento do livro na vigília Lula Livre, em Curitiba, será acompanhado por sessão de autógrafos

São Paulo – A indignação do povo com relação ao processo de impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff e a prisão política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva são agora, mais que testemunhos, documentos da história. É o que propõe o livro As cartas que Lula não recebeu, que será lançado nesta terça-feira (25), a partir das 9h30, na Vigília Lula Livre, em frente à sede da Polícia Federal em Curitiba.

mais de um ano acompanhado o ex-presidente desde que foi preso, em 7 de abril de 2018, a vigília fará o lançamento da obra logo após o “bom dia, presidente Lula”. Autores brasileiros se reúnem para confraternização e para sessão de autógrafos. Organizado pela jornalista Cleusa Slaviero, o livro compila cartas de 100 escritores, de diversas partes do mundo, sobre a série Crônicas da Resistência, e traz ainda o prefácio assinado pelo ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação Fernando Haddad.

Diretamente da capital paranaense, um dos autores, Marcelo Marcelino concedeu entrevista à jornalista Marilu Cabanãs, da Rádio Brasil Atual. Integrante do Núcleo do Núcleo de Estudos Paranaenses (NEP) e do Núcleo de Estudos em Educação Filosófica da Universidade Federal do Paraná (Nesef-UFPR), e coordenador da Auditoria Cidadã da Dívida Pública no estado, Marcelino explica que o livro chama atenção para esse processo de “golpe no Brasil que está muito claro desde os vazamentos do The Intercept Brasil”.

“Lula é um sujeito fundamental dessa história do país, da promoção da igualdade e da justiça social. O Brasil continua desigual demais porque, infelizmente, existem grupos no poder que não querem a cidadania que Lula promoveu de certo modo”, analisa o escritor. De acordo com Marcelino, os relatos presentes no livro comprovam o clamor da população pelas políticas sociais promovidas pelos governos petistas que, por meio das cartas, manifestam sua indignação com a deposição de Dilma e a prisão do ex-presidente. “É o retorno do interesses que Lula sempre manifestou por sua gente”.

Ouça a entrevista na íntegra