Home Política Suspeita de ‘gestão fraudulenta’ de Guedes em fundos de pensão é alvo do TCU
Processo

Suspeita de ‘gestão fraudulenta’ de Guedes em fundos de pensão é alvo do TCU

Tribunal apura denúncias de fraudes, por parte do ministro da Economia, que já vinham sendo investigadas pelo Ministério Público Federal em cinco fundos de pensão ligados a empresas estatais
Publicado por Redação RBA
14:13
Compartilhar:   
Wilson Dias/EBC
Paulo Guedes fundos de pensão

Empresa de gestão de ativos de Guedes teria ganhado “vantagens econômicas” enquanto fundos perdiam lucro

São Paulo – O ministro da Economia, Paulo Guedes, poderá responder por “gestão fraudulenta ou temerária” em processo aberto pelo Tribunal de Contas da União. O TCU investiga suspeitas de fraudes em negócios feitos por uma empresa do chefe da pasta de Jair Bolsonaro com fundos de pensão de companhias estatais. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

O tribunal apura irregularidades apontadas pela Superintendência Nacional da Previdência Complementar (Previc), na Funcef, responsável pela previdência dos funcionários da Caixa, Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras) e Postalis (Correios). De acordo com as suspeitas, a atuação da gestora de ativos que pertencia a Guedes até o ano passado teria causado prejuízos milionários aos fundos de pensão dessas entidades responsáveis pela aposentadoria complementar de funcionários das estatais, a partir da captação e aplicação de R$ 1 bilhão, desde 2009. Em contrapartida, as transações teriam proporcionado ganhos excessivos para o ministro.

O processo do TCU, ainda em fase inicial, contra a empresa de Guedes tem por base as investigações que vêm se desenrolando, desde outubro do ano passado, por parte do Ministério Público Federal (MPF), que também aponta “vantagens econômicas” indevidas.

Conforme a denúncia do MPF, a empresa de gestão de investimento de Guedes, a partir de cobranças de comissões “abusivas”, teriam rendido um total de R$ 152,9 milhões, entre 2009 e 2014, enquanto os rendimentos devidos aos fundos de pensão das estatais foram menores em decorrência das fraudes.

A defesa do ministro que encabeça a “reforma” da Previdência do governo Bolsonaro, alegou em nota à Folha, ter agido dentro da legalidade. “Já foi apresentada ao Ministério Público Federal vasta documentação e petição comprovando a diligência, lisura e lucratividade dos investimentos”, declara os advogados de Guedes.