Home Política Sônia Guajajara desmonta discurso de senadora do PSL no Senado
Lição

Sônia Guajajara desmonta discurso de senadora do PSL no Senado

Parlamentar do partido do presidente Jair Bolsonaro se confunde, expõe preconceito e acaba ouvindo o que não queria da ex-candidata à vice-presidência pelo Psol
Publicado por Redação RBA
15:10
Compartilhar:   
Reprodução
Sônia Guajajara

“Vocês não estão vendo os sinais das chuvas, das secas, dos vulcões, dos furacões”, disse Sônia

São Paulo – Nesta quinta-feira (11), em audiência publica sobre saúde indígena na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado, ao discorrer sobre questões indígenas e direito a terras, a senadora Soraia Thronicke (PSL-MS) se confundiu e acabou ouvindo o que não queria da ex-candidata à vice-presidência da República pelo Psol Sônia Guajajara. A senadora do partido do presidente Jair Bolsonaro começou dizendo que acha “bacana” o fato de o atual governo “respeitar as minorias”. Segundo ela, o país já conta com um Ministério da Mulher, “coisa que não tínhamos”. Na verdade, o órgão foi criado em 2015 pela presidenta Dilma Rousseff, como Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, no contexto da reforma administrativa que implementou na época.

A seguir, Soraia Thronicke disparou uma série de incongruências: “Os povos indígenas têm hoje em torno de 13% do território nacional. A nossa área agricultável, e que é utilizada, é de 7%, segundo o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Tem política pública destinada, e por que eles continuam miseráveis com 13% do território nacional, quando nós utilizamos 7%? Essa terra não é de vocês, a terra é da União. Quem usa o índio?”, questionou a senadora. “Porque o índio é maltratado também. Mas quem fez isso com os índios? Os próprios índios?”

Como resposta, Sônia Guajajara classificou a fala da parlamentar como fruto de uma visão racista, alienada e preconceituosa. “A sua fala, senadora, retrata muito bem o pensamento que tem esse setor ruralista que compõe a Câmara e o Senado, que a qualquer custo quer flexibilizar a legislação ambiental pra explorar os territórios.” Acrescentou que os territórios não são mesmo dos índios. “São da União, sim, mas é usufruto dos povos indígenas.”

A ativista explicou à senadora que as terras em questão não apenas têm relação com os direitos dos povos, como dizem respeito a conceitos de preservação ambiental e à cultura das nações indígenas.

“Pra nós, o território é sagrado, precisamos dele para existir. Vocês olham para a terra indígena e chamam de improdutiva. Nós chamamos de vida. O mundo inteiro está preocupado com o aquecimento global, discutindo efeito das mudanças climáticas, pensando formas de reduzir o gás carbônico para garantir que a gente tenha equilíbrio do clima”, disse Sônia. Ela continuou, avaliando a fala de Soraia como sendo “a cara desse governo truculento”, que quer promover a entrega dos territórios para exploração “porque não pensa na vida, só em dinheiro”.

“Sinais da chuva”

A líder afirmou que a relação das nações indígenas com a terra é em nome da sustentabilidade e respeito à “mãe natureza”. “A terra está pedindo socorro, e vocês não estão escutando, não estão vendo os sinais das chuva, das secas, dos vulcões, dos furacões. Se (isso) continuar, o próprio planeta não aguenta por mais 50 anos.”

Sobre o questionamento da senadora do PSL, segundo a qual os índios são “miseráveis”, Sônia respondeu que eles escolheram continuar com seu modo de vida. “Tem que respeitar a diversidade, os diferentes povos desse país.” Ela acrescentou que, se dependesse dos ruralistas e de lideranças como Soraia, os indígenas não existiriam mais.

Ela explicou ainda que os direitos territoriais dos povos não são somente direitos constitucionais, mas um “direito originário dos povos indígenas e nós não vamos perder nossa vida pro agronegócio”.

Sônia terminou criticando membros do governo e o presidente da República. “Aí vem o ministro das Relações Exteriores (Ernesto Araújo) dizer que é questão de marxismo, que território indígena é ‘ideologia’. Se vocês não querem respeitar, assumam. Não fiquem fazendo de conta que gostam de índio, como a (ministra) Damares diz. Bolsonaro diz ‘o índio é meu irmão’. Que irmão é esse que querem matar, tirar seu direito de existir?”

Confira o vídeo da TV 247