Sinal dos tempos

Sessão na CCJ da Câmara é suspensa após protestos por deputado que estaria armado

Discussão era sobre admissibilidade da PEC da Previdência. 'Isso é inadmissível, isso não é bangue-bangue, não é videogame”, disse Erika Kokay. Sessão foi reiniciada com leitura do parecer do relator

Reprodução
CCJ Câmara

Sessão tumultuada foi suspensa após líder do PSL ser flagrado armado na comissão que discutia Previdência

São Paulo – A sessão da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara foi suspensa às 18h30 desta terça-feira (9), após parlamentares denunciarem que um deputado estava armado no plenário. Os trabalhos foram reiniciados pelo presidente do colegiado, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), dez minutos depois. O parlamentar supostamente armado, Delegado Waldir (PSL-GO), líder do PSL, negou estar com a arma, mas apenas com o suporte.

A reunião do colegiado foi iniciada às 14h42 para a leitura do parecer da reforma da Previdência (PEC 6/19) pelo relator, Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG). 

“Isso é inadmissível, isso não é bangue-bangue, não  é videogame”, protestou a deputada Erika Kokay (PT-RJ). No Twitter, a deputada Jandira Feghali (PCdoB) também comentou: “CCJ suspensa porque havia um parlamentar armado. Sinais dos tempos”. A sessão foi retomada após a confusão ser contornada, e a leitura do relatório foi finalmente iniciada.

“Isso é um perigo. Num debate acalorado ele poderia atirar nas pessoas. Senão, não precisava ter o revólver na comissão. Ele poderia deixar o seu revólver no gabinete. É um processo de intimidação. Por que eles querem uma reforma que só tira direitos?”, afirmou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) no Facebook.

Durante a tarde, a sessão se arrastou sobre a retirada ou não da proposta da pauta e a manutenção da discussão sobre a PEC da Previdência venceu por 40 votos a 7. O texto do relator defende a constitucionalidade da proposta.

“Em três anos o povo brasileiro não vai esquecer os votos que serão dados aqui, antes das próximas eleições. Não é a venda de uma coisa qualquer. É a vida de pessoas, aposentados, senhoras que trabalharam a vida inteira, a vida de educadores e educadoras que estão na sala de aula com crianças e jovens. As pessoas precisam de coisas concretas, e uma das coisas concretas que elas têm na vida é a Previdência Social”, disse a deputada Maria do Rosário (PT-RS).

A deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR) protestou contra um tema complexo como a reforma ser discutido de “maneira açodada”. “Por que não discutir com o povo? Porque se for discutir, não vai passar”, disse. A parlamentar mencionou pesquisa CUT/Vox Populi divulgada nesta segunda-feira segundo a qual 65% dos entrevistados desaprovam a reforma.

Mencionou também matéria do jornal Valor Econômico que ouviu analistas que preveem crescimento da economia pouco maior de que 1% este ano. “Não era só tirar a Dilma que tudo melhorava?”

A parlamentar disse que “a tragédia do Brasil está retratada” na entrevista do presidente Jair Bolsonaro à Jovem Pan, nesta segunda-feira (8). Ela classificou a fala o presidente de “descolada da realidade”. “Ele vai à rádio e diz que deve a eleição ao filho”, acrescentou. Bolsonaro comentou na entrevista que foi eleito graças a Carlos Bolsonaro, por seu trabalho nas redes sociais.

Em seu pronunciamento, a deputada Joênia Wapichana (Rede-RR) reconheceu que é necessária alguma reforma do sistema, mas não a proposta pelo governo. “Vários pontos da Constituição foram feridos pela PEC. Na proposta, não está garantido aos mais pobres o acesso à Previdência. Precisamos de uma proposta que tenha bases constitucionais, e não que retire direitos dos mais necessitados.”